Pouca exposição afeta síntese de vitamina D

Ainda é controversa entre os médicos a relação entre uso frequente de filtro solar e carência de vitamina D - nutriente essencial para a saúde dos ossos e para a maioria das funções metabólicas e musculares. Embora encontrada em alguns alimentos, a principal fonte é o sol.

Karina Toledo, O Estadao de S.Paulo

22 de novembro de 2009 | 00h00

Para Marise Castro, chefe do Setor de Doenças Osteometabólicas da Unifesp, a falta de vitamina D virou epidemia no mundo - até no Brasil. "A urbanização fez com que as pessoas se expusessem menos ao sol e, quando o fazem, usam filtro."

Estudo da Unifesp com mais de 600 pessoas constatou deficiência do nutriente em 42% dos jovens, 77% dos idosos em asilos, 70% dos idosos que viviam em casa e 46% dos idosos que praticam atividades ao ar livre.

Para evitar o problema, Marise recomenda exposição ao sol por 15 minutos diários, antes de passar filtro.

Já Marcus Maia, professor de dermatologia da Santa Casa, acredita que ninguém consegue se proteger do sol a ponto de impedir a síntese de vitamina D. "Outros fatores influenciam em sua produção, como a saúde da pele, do fígado, rim e intestino." Para ele, sete minutos de sol, três vezes por semana, são suficientes para quem tem pele clara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.