Presidente do CRM-PR renuncia em protesto ao Mais Médico

Crítico do programa federal Mais Médicos, o presidente do Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR), Alexandre Bley, renunciou ao cargo na noite de segunda-feira, 23. Caso continuasse no cargo, ele teria que assinar os registros provisórios dos médicos formados no exterior. O mandato de Bley, no entanto, terminaria na próxima semana.

JULIO CESAR LIMA, ESPECIAL PARA AE, Agência Estado

24 de setembro de 2013 | 18h33

Bley alegou em sua carta de renúncia, apresentada durante reunião do Conselho, que não poderia abrir mão de suas convicções. "Confesso que prefiro a vergonha da renúncia a ter que conviver com a vergonha de ter traído a minha consciência, pois quando um indivíduo abre mão de suas convicções, perde sua identidade e o significado de sua existência", disse.

O CRM-PR informou, por meio de nota, que o presidente não estava à vontade. Na nota, ele alegava falta de zelo para assegurar uma assistência de qualidade e de que haveria uma pressão por parte do governo. Com a saída de Alexandre Bley, o médico Maurício Marcondes Ribas assume a vaga.

Mesmo contrário ao programa, o CRM vai conceder os documentos, mas fará a ressalva de que o Ministério da Saúde se responsabilizará pelos médicos. Nesta terça, 24, o CRM-PR, que chegou a ir à Justiça para barrar o programa no Estado, concedeu o registro de oito dos 30 médicos estrangeiros que aguardam liberação. A expectativa é que até a próxima segunda-feira, 30, mais 12 registros sejam liberados.

Mais conteúdo sobre:
Mais MédicosPRrenúncia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.