Prima de Chorão diz que cantor se sentia sozinho

A apresentadora de televisão Sônia Abrão, prima do cantor Chorão (Alexandre Magno Abrão), encontrado morto na madrugada desta quarta-feira, afirmou que ele se sentia sozinho e descarta a hipótese de "suicídio". "A última vez que a gente se sentou para conversar, ele queria mais a família perto. Foi há seis meses, quando o meu pai morreu, irmão do pai dele. A gente sentou e ele disse: ''O que me derruba é saber que a gente nasce sozinho e morre sozinho. Eu tô no palco e estou cantando para melhorar as pessoas, mas estou me sentindo sozinho. Não adianta ter gente em volta de mim''", afirmou Sônia.

AE, Agência Estado

06 de março de 2013 | 17h18

A apresentadora foi ao prédio onde morava o vocalista do grupo Charlie Brown Jr, em Pinheiros, na zona oeste da capital paulista, na manhã desta quarta. Chorão, de 42 anos, foi encontrado morto dentro de seu apartamento pelo seu motorista e seu segurança. Ela não chegou a entrar no apartamento mas, para Sônia, a bagunça no local era um sinal de "desespero".

De acordo com o Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), pode ter ocorrido abuso de drogas ou medicamentos. "Ele não tinha noção da situação-limite que estava enfrentando. Não acho que ele colocou um ponto final", disse a prima do cantor. Segundo Sônia, a polícia informou preliminarmente que Chorão teve uma parada cardíaca. "(Ele) acabou desesperando, e o coração dele explodindo. Não se sabe o que provocou isso, a substância. Foram encontradas latas de cerveja e energético". Sônia não chegou a mencionar um pó branco encontrado pela polícia que poderia ser cocaína.

Chorão teria se separado da mulher, com quem teve um relacionamento de 15 anos, há seis meses. No último encontro com o cantor, Sônia diz não ter entrado em detalhes sobre o rompimento. "Ele não abriu muito aquele dia, a gente estava vivendo uma outra situação (velório do pai de Sônia). Ele não sabia se ia conseguir ficar sozinho. Só falou da separação e que gostava muito dela".

Segundo Sônia, pela conversa com Chorão, a família sabia que o cantor passava por uma situação de crise com o fim de casamento. "A gente sabia que era um momento de crise por toda essa mudança. Mas ele tinha o filho, a música, a gente achava que ele estava bem ancorado". A família deverá cremar o corpo de Chorão na quinta-feira (7), às 17 horas, segundo Sônia, por ser uma tradição entre eles - o pai e o tio tiveram o mesmo ritual. As cinzas poderão ser jogadas no mar ou em uma pista de skate em Santos. O site oficial da banda Charle Brown Jr informa, porém, que o corpo do cantor será enterrado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.