Promotor insiste em barreira de som no Minhocão

Apesar de a Prefeitura de São Paulo ter anunciado um projeto que prevê a demolição do Elevado Costa e Silva, o Minhocão, na região central da capital, o Ministério Público (MP) vai manter uma ação na Justiça para obrigar o poder público a instalar barreiras acústicas no Elevado.

AE, Agência Estado

19 de maio de 2010 | 11h58

O processo está há cinco meses nas mãos da Justiça. As pistas ficam a menos de cinco metros dos prédios residenciais e o ruído do tráfego intenso é acima dos níveis considerados seguros à saúde e permitidos por lei. A poluição sonora foi comprovada por três laudos técnicos feitos por órgãos diferentes.

Em novembro, depois de quatro anos e meio de discussão entre a Prefeitura e o MP, o caso foi levado ao Judiciário, para decisão em primeira instância. Para o promotor Marcos Lúcio Barreto, do Meio Ambiente, a intenção da Prefeitura de demolir o Minhocão, divulgada há 15 dias, em nada muda o pedido. "Trata-se, por enquanto, de apenas mais um desejo da administração e nenhuma proposta concreta", avalia. "E o problema se arrasta há 40 anos, desde que o Elevado foi construído", afirma.

A previsão da Prefeitura, que disse que não iria responder os questionamentos da reportagem alegando que o caso ainda está para ser decidido pela Justiça, é a de que, se aprovada, a demolição aconteça somente em 15 anos. As informações são do Jornal da Tarde.

Tudo o que sabemos sobre:
Minhocãobarreira de somSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.