Quênia diz ter matado comandantes do Al Shabaab em ataque aéreo

Militares quenianos mataram mais de 30 militantes do Al Shabaab, incluindo comandantes do grupo, disse um porta-voz nesta sexta-feira, na primeira grande ofensiva com ataques aéreos na Somália desde a retaliação pelos ataques dos militantes islâmicos a um shopping em Nairóbi.

Reuters

10 de janeiro de 2014 | 12h55

Caças do Quênia atacaram na quinta-feira à noite um acampamento em Garbarahey, na região de Gedo, onde os militantes, que professam ligações com a Al Qaeda, realizavam uma reunião, disse o militar.

O Al Shabaab tem sido enfraquecido por tropas da União Africana ao longo dos últimos dois anos, dando início a uma certa estabilidade em muitas partes do país africano após uma campanha de ataques e sequestros de ocidentais e forças de segurança.

No entanto, os rebeldes, que têm conduzido uma insurgência de sete anos tentando impor uma interpretação estrita da lei islâmica na Somália, surpreenderam o mundo em setembro ao atacar um shopping de luxo em Nairóbi, matando pelo menos 67 pessoas.

Os ataques aéreos de quinta-feira foram os primeiros desde outubro, quando aviões de guerra quenianos bombardearam alvos controlados pelo grupo islâmico, em represália ao ataque contra o shopping.

"Existem remanescentes do Al Shabaab que ainda tentam recuar os ganhos que têm sido feitos (contra eles)", disse à Reuters o porta-voz militar queniano, coronel Cyrus Oguna, nesta sexta-feira.

"Esses remanescentes são aqueles sobre os quais nos concentramos agora."

Apesar de mais de dois anos de ataques contra posições do Al Shabaab pelo Quênia e outras tropas do leste africano, não há nenhum número claro de quantos estão envolvidos no movimento, ou se o número de integrantes do grupo foi reduzido pelas intervenções.

(Reportagem de Duncan Miriri)

Mais conteúdo sobre:
QUENIASOMALIASHABAAB*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.