Segurança para Enem foi ampliada, diz Mercadante

O governo gastou R$ 46 por inscrito no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o que corresponde a um total de R$ 262 milhões. O custo real da prova chegou a R$ 57 por estudante, mas com o desconto do valor recebido pelo governo com as inscrições, o gasto efetivo acabou ficando mais baixo. Em entrevista coletiva concedida há pouco, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, informou que se sente "seguro e tranquilo" na aplicação, amanhã e domingo, dos exames para 5,7 milhões de inscritos. Deste total, 1,7 milhão pagaram R$ 35 para participar das provas. Os demais alegaram não ter condições de efetuar o pagamento.

LEONENCIO NOSSA, Agência Estado

02 de novembro de 2012 | 14h13

No ano passado, o valor teria ficado menor do que o deste ano. O governo alegou que foram ampliados os itens de segurança, como chips em malotes e cadeados eletrônicos, por exemplo, o que elevou os gastos. Mercadante avaliou que o custo é baixo levando em conta o "rigor" na segurança em todas as etapas do processo. "Não é possível um custo que não fosse este. Para nós, o prejuízo de não fazer bem feito é muito maior", argumentou.

Segundo ele, foram checados mais de 3,4 mil itens de segurança e qualidade em 11 etapas do Enem, desde o planejamento até a capacitação das 566 mil pessoas envolvidas na aplicação das provas. Nesta fase do exame, a organização concentrou a atenção em 33 itens, numa tentativa de evitar falhas e fraudes, como foram registradas nas edições anteriores. "É um sistema logístico complexo. Temos todo o cuidado e rigor", disse.

A divulgação do gabarito da prova ocorrerá na próxima quarta-feira, dia 7 de novembro, mas técnicos do governo avaliam que na noite de terça-feira, o resultado já estará disponível na internet. O resultado das provas sairá no próximo dia 28.

A maioria dos inscritos está na faixa de 17 e 18 anos. O governo também registrou que 14% dos inscritos têm mais de 30 anos. As mulheres formam a maioria e os negros representam 54% do total.

Recomendação

Mercadante reforçou hoje as recomendações para os estudantes inscritos no Enem não perderem as provas. Em coletiva, o ministro lembrou que os exame começa às 13 horas impreterivelmente e os estudantes devem chegar ao local com um hora de antecedência com o cartão de matrícula e um documento com foto.

Mercadante sugeriu que os estudantes visitem ainda hoje o local onde realizarão as provas bem como o trajeto que pretendem percorrer amanhã e domingo para evitar surpresas que provoquem atrasos. No primeiro Enem sob sua gestão, o ministro disse que está sentindo a mesma ansiedade que sentiu em 1972, quando prestou vestibular. Ele ressaltou, no entanto, que tudo até o momento está saindo de acordo com o que foi planejado.

Tudo o que sabemos sobre:
educaçãoEnemAloizio Mercadante

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.