Sequência de ouros dá 'supersábado' à torcida da casa no Estádio Olímpico

Em dia histórico para a Grã-Bretanha, país-sede conquista sete medalhas e sobe para terceira colocação no quadro de medalhas, melhor resultado em 104 anos.

Paula Adamo Idoeta, BBC

04 de agosto de 2012 | 21h16

O país-sede dos Jogos Olímpicos teve o seu "supersábado" no oitavo dia de competições, com sete medalhas - sendo que três delas, de ouro, foram conquistadas diante de um Estádio Olímpico lotado com a torcida da casa.

Este sábado, o dia mais bem-sucedido em uma Olimpíada em 104 anos para o país, foi considerado histórico para o esporte do Reino Unido, que pulou para terceiro lugar no quadro de medalhas (atrás de EUA e China).

No início da noite, o Estádio Olímpico foi à loucura com a vitória da favorita britânica Jessica Ennis, que liderou a prova do heptatlo do começo ao fim.

Greg Rutherford levou o ouro ao fazer 8,31 metros no salto em distância. A terceira medalha de ouro britânica no atletismo foi conquistada por Mohamed Farah, de origem somali, que fez um sprint e levou no final a prova dos 10 mil metros. Ele comemorou com sua filha e sua mulher, grávida de sete meses, que foram abraçá-lo na pista, para nova demonstração de delírio da torcida.

É a primeira vez na história que a Grã-Bretanha leva três ouros no atletismo; neste sábado, o país também conquistou dois ouros e uma prata no remo, além de um ouro no ciclismo.

No Estádio Olímpico, o premiê David Cameron tuitou que "a atmosfera (no local está) elétrica no #SuperSaturday", expressão que, no Twitter, dominou os comentários sobre o desempenho dos atletas britânicos neste sábado.

Brasileiros

As demais medalhas de ouro do atletismo disputadas neste sábado foram para o chinês Chen Ding (20km da marcha atlética masculina), para a croata Sandra Perkovic (lançamento de disco) e para a jamaicana Shelly-Ann Fraser Pryce, que venceu os 100 metros rasos com o tempo de 10,75 segundos.

A brasileira Rosângela Santos marcou 11,17 segundos na semifinal e não conseguiu se classificar à final dos 100 metros.

O outro brasileiro que disputou no Estádio Olímpico foi Mauro Vinicius da Silva, que saltou 8,01 metros e ficou em sétimo lugar na final do salto em distância. Ele queimou quatro saltos, mas terminou a prova batendo palmas, sem aparentar abatimento.

Nesse cenário, a comemoração ficou mesmo para os britânicos, que ocupavam a maioria dos 80 mil lugares do Estádio Olímpico. Na saída, o metrô foi dominado por coros de louvor ao "Team GB", como é chamada a equipe britânica.

"Junto com o dia da abertura, este foi provavelmente o dia mais incrível aqui", disse à BBC Brasil um voluntário do estádio.

Todos os britânicos consultados pela reportagem disseram que não esperavam sair do Estádio Olímpico vendo tantas medalhas para a torcida da casa.

"Tínhamos esperança em Jessica Ennis, mas temíamos que as altas expectativas acabassem atrapalhando seu desempenho", disse o torcedor Ellias Thoms. "Acho que havia a expectativa de nos sairmos bem, mas ficar em terceiro no quatro de medalhas é surpreendente."

Uma família de cinco londrinos disse que, quando comprou os ingressos, torcia por dois ouros para o país-sede, o de Ennis e o de Mo Farah, e se surpreendeu com o resultado deste sábado. "O terceiro veio de bônus." BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.