Serra promete iniciar Linha 6 do Metrô em sua gestão

O governador de São Paulo, José Serra, afirmou hoje que a futura linha 6 de Metrô (também chamada de Linha Rosa), que vai ligar o Oratório, na região do Ipiranga, à Freguesia do Ó, na zona norte da cidade, terá início ainda na sua gestão. "Eu quero dar o pontapé inicial nessa linha na minha gestão, porque ela completará o Metrô em São Paulo", destacou. Serra disse que a cooperação financeira da Prefeitura de São Paulo no Metrô, que é de responsabilidade do governo do Estado, está ajudando muito o andamento das obras e possibilitando novos projetos. Hoje, durante debate sobre trânsito promovido pela Rádio Eldorado, do Grupo Estado, o prefeito da capital, Gilberto Kassab, disse que o município irá investir R$ 75 milhões na linha que ligará o Oratório à Freguesia do Ó. O governador paulista disse que a Prefeitura se ofereceu para pagar o projeto (da nova linha). "Isso porque tem uma etapa preliminar que demora e é custosa, que é justamente fazer o projeto executivo, ou a descrição de toda a obra, que implica estudo do solo, projeto subterrâneo e um conjunto de medidas e custa R$ 75 milhões", destacou Serra. "Essa nova linha é o que está faltando, vai completar a malha em São Paulo e a região da Freguesia do Ó precisa de Metrô."Para José Serra, essa foi "uma boa notícia", porque ele havia conversado ontem com o prefeito Kassab sobre essa possibilidade. "E eu vejo hoje, com grata surpresa, que ele está topando." De acordo com Serra, essa injeção de recursos por parte da Prefeitura, que já voltou a investir no Metrô, vai facilitar a ampliação da malha metroviária, pois o governo do Estado está bancando, só na linha Vila Prudente/Ipiranga, cerca de R$ 2 bilhões. "Portanto, a ajuda da Prefeitura é estratégica e muito oportuna."Questionado se a eventual parceria entre governo e Prefeitura também se estenderia ao plano político nas eleições deste ano, levando em conta o cenário sucessório municipal, com a decisão do ex-governador tucano Geraldo Alckmin de concorrer à Prefeitura e de Gilberto Kassab também postular a reeleição, em candidaturas separadas, Serra foi cauteloso. "Eu não vou falar de sucessão municipal nas (entrevistas) coletivas porque eu acabo não fazendo outra coisa. De vez em quando podemos comentar (sobre o tema), mas no dia-a-dia não."

ELIZABETH LOPES, Agencia Estado

25 de março de 2008 | 16h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.