Serralheiro que teve Fusca incendiado ganha Brasília

A carcaça totalmente destruída do Fusca 1975, incendiado durante uma manifestação em janeiro, ainda ocupa a oficina do serralheiro Itamar Santos, de 54 anos. Mas o carro ganhou na última terça-feira, 18, a companhia de uma Brasília amarela, fabricada em 1980 - mas com cara de novinha. O carro foi doado por um empresário de Curitiba, sensibilizado com a cena do Fusca do trabalhador em chamas na Rua da Consolação, região central de São Paulo.

PAULO SALDAÑA, Agência Estado

20 de fevereiro de 2014 | 08h25

Itamar voltava da igreja no dia 25 de janeiro quando, ao passar pela manifestação contra a Copa do Mundo, um colchão em chamas ficou preso na roda e o fogo se alastrou. Ele e outras quatro pessoas - entre elas uma criança de 5 anos - foram retirados do veículo em chamas.

Itamar ficou sem o carro que usava com a família e também no trabalho. "Semana passada tive de levar um portão no braço, fiz cinco viagens", conta, já com um sorriso no rosto - que não apresentava logo após o episódio traumático. "Agora estou com dó de colocar ferro nesse carro novo, está ''zero bala''."

A Brasília realmente está um brinco. Estofado impecável, funilaria sem um arranhão e o motor "nos trinques" - resultado de uma revisão mecânica realizada antes da doação. O serralheiro diz que ficou impressionado com o ato. "Fiquei muito feliz, foi uma coisa de coração. Era um carro que o dono não vendia por nada."

O novo carro do serralheiro pertencia a Arlindo Ventura, de 40 anos, conhecido como Magrão. Dono de um bar na capital paranaense e agitador cultural, Magrão viu pela TV o drama de Itamar. "Eu tinha uma reunião importante e fiz uma promessa. Se eu me saísse bem, doaria a ''cabrita''", diz ele, referindo-se ao apelido que deu ao carro.

Magrão havia comprado a Brasília em 2009, depois de ter lavado e cuidado do carro ao longo de 8 anos, quando trabalhou em um estacionamento. "Acho que o carro vai ser útil, mas a parte emocional é difícil aliviar", diz o empresário, ressaltando que seu ato foi uma forma de mostrar que a violência é desnecessária.

Após o episódio, manifestantes e ativistas insistiram que o Fusca foi incendiado acidentalmente. Surgiu pela internet uma corrente para ajudar o serralheiro e tentar compensar o prejuízo. Vários depósitos bancários foram feitos diretamente na conta de Itamar, somando cerca de R$ 7 mil. Uma vaquinha online já arrecadou R$ 6,7 mil - os organizadores pretendem comprar outro carro. "Eles queriam mostrar que não é todo mundo igual, e não é mesmo", disse Itamar.

Quando os organizadores entraram em contato com o serralheiro para falar da "vaquinha", ele recusou no primeiro momento. "Mas depois alguns amigos disseram que eu estava sendo orgulhoso, então resolvi aceitar", diz. Além de carro e dinheiro, Itamar foi presenteado com bolo, pãezinhos e também surgiu mais trabalho. Para dar continuidade à corrente do bem que surgiu a seu favor, ele vai doar a carcaça do Fusca para um catador que vive na sua vizinhança, na zona sul. "Ele é humilde, mas veio prestar solidariedade para mim, acho que vou ajudá-lo."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.