Sérvios decidem entre orgulho e prosperidade em eleição-chave

Os sérvios vão às urnas no domingo emeleições que mostrarão se o chamariz de ingressar na UniãoEuropéia supera sua aversão pela separação de Kosovo, apoiadapelas potências do Ocidente. São cerca de 6,7 milhões depessoas. O país está dividido entre dois favoritos, o nacionalistaPartido Radical e o pró-ocidental Partido Democrático, masambos deverão aliar-se com facções menores para formar umacoligação. Os países do Ocidente torcem pelos democratas. "Essas eleições são um referendo sobre deixar Kosovo oulutar por ele. Esta é a única razão de eu ter vindo votar",disse um homem de 50 anos em Belgrado, que não quis dar seunome. Acrescentou que votou a favor dos radicais porque é o únicopartido genuíno em seu compromisso de seguir lutando porKosovo. Outro eleitor, Djordje Petrovic, disse que antes votava noPartido Democrata, mas que desta vez se decidirá por uma facçãomenor, mais liberal e também a favor das políticas do Ocidente. "Estou muito decepcionado com todas as promessas nãocumpridas", afirmou. "Mas quem sabe as expectativas eram muitoaltas." Os radicais acredita que, desde a queda de SlobodanMilosevic, há oito anos, a proximidade com o Ocidente e asreformas apenas trouxeram aos sérvios humilhação e pobreza. São a favor de que as conversas para que a Sérvia entre naUE sejam congeladas, defendem a busca em outras regiões pormais investimentos e comércio e querem restaurar o orgulhonacional e estimular a reivindicação da Sérvia sobre Kosovo,que declarou sua independência em fevereiro. Os democratas defendem que o ingresso na UE é a única formade atrair investimentos, criar mais empregos e elevar osíndices de qualidade de vida, dado que os sérvios sofreram umduro isolamento durante a era de Milosevic.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.