Síria alerta contra intervenção estrangeira e diz que seria ato de agressão

Qualquer intervenção estrangeira na Síria seria um ato de agressão, a menos que seja aprovada pelo governo sírio, disse um ministro do país nesta quinta-feira, depois de os Estados Unidos anunciarem estar preparados para atacar os militantes do grupo Estado Islâmico na Síria.

REUTERS

11 Setembro 2014 | 11h34

A Síria tem alertado repetidamente que qualquer ação em seu território precisa de sua aprovação e vem dizendo que está disposta a trabalhar com qualquer país para enfrentar os combatentes do grupo Estado islâmico, os quais capturaram grandes áreas na Síria e no vizinho Iraque.

"Qualquer ação de qualquer tipo sem a aprovação do governo sírio é uma agressão contra a Síria", declarou Ali Haidar, ministro de Assuntos de Reconciliação Nacional, em Damasco.

"É preciso haver cooperação com a Síria e coordenação com a Síria, e deve haver uma aprovação síria de qualquer ação, seja militar ou não."

Os países estrangeiros poderiam usar o Estado Islâmico simplesmente como um pretexto para atacar a Síria, afirmou Haidar aos jornalistas antes de uma reunião com o novo mediador internacional de paz, Staffan de Mistura.

Os EUA e seus aliados ocidentais têm apoiado a insurgência contra o presidente sírio, Bashar al-Assad, e descartaram a possibilidade de cooperar com ele para combater o Estado islâmico, que pretende criar um califado que vai além das fronteiras atuais.

Mais conteúdo sobre:
SIRIAEUAATAQUE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.