Sobram quase 40 mil vagas em faculdades públicas

Mais de 39,5 mil vagas oferecidas em vestibulares de instituições públicas de todo o País ficaram ociosas em 2009. O número representa 10% do total de vagas oferecidas e um crescimento de 7,7% em relação a 2008, segundo revelou o Censo do Ensino Superior, divulgado ontem pelo Ministério da Educação (MEC). Apenas no Estado de São Paulo, 9,8 mil vagas não foram preenchidas.

AE, Agência Estado

14 de janeiro de 2011 | 11h56

A maior parte da ociosidade está nas redes públicas municipais (27,6 mil) e estaduais (10 mil). Nos institutos e universidades federais sobraram 1,9 mil vagas. Para o professor Oscar Hipólito, do Instituto Lobo de Educação, tal índice de ociosidade é "vergonhoso". "É uma coisa que não deveria acontecer em um País com um número relativamente baixo de oferta de ensino superior, em especial de ensino público", disse. Ele acredita que uma das razões é a falta de planejamento em relação à demanda.

A taxa de ociosidade é ainda maior na rede privada, onde sobraram 58% das 2,7 milhões de vagas abertas em 2009. A maioria das instituições tem autonomia para ampliar vagas e abrir novos cursos, mas grande parte acaba não sendo preenchida. O censo também mostra queda no número de matrículas em cursos particulares - foram 41,3 mil a menos que em 2008. Ainda assim, os alunos das privadas representam 73,5% do total. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
faculdades públicasvagassobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.