Sudão do Sul inicia retirada de tropas da fronteira com Sudão

O Sudão do Sul começou a retirar seu Exército de uma zona neutra com seu antigo inimigo da guerra civil, o Sudão, no domingo, e milhares de soldados saíram da cidade fronteiriça de Jau.

HEREWARD HOLLAND, Reuters

17 de março de 2013 | 14h50

A criação de uma zona neutra desmilitarizada é vista como um primeiro passo crucial na retomada das exportações de petróleo do Sudão do Sul através do Sudão, as quais o governo do Sudão do Sul interrompeu em janeiro do ano passado durante uma disputa com Cartum sobre taxas.

Na quinta-feira, o ministro do Petróleo do Sudão do Sul disse que as empresas petrolíferas haviam recebido ordens para retomar a produção, que ele estimou que levaria de duas a três semanas.

O Sudão do Sul se separou do Sudão em julho de 2011, mas os dois permaneceram mergulhados em disputas pela fronteira, petróleo, dívidas e acusações de apoio aos rebeldes nos território de cada um.

Depois de meses de confusas negociações mediadas pela União Africana, ambos os países concordaram neste mês com um prazo para realizar acordos assinados em setembro, a fim de criar uma zona de fronteira desmilitarizada e reiniciar as exportações de petróleo do sul através do Sudão.

No domingo, o comandante da quarta divisão do Exército do Sudão do Sul (SPLA), Koang Chol, discursou para milhares de soldados em Jau, uma cidade de guarnição do Sudão do Sul que foi tomada de tropas sudanesas no ano passado.

"Estamos implementando as ordens de nosso governo para retirar nossas forças 10 quilômetros ao sul", disse ele.

Tanques e caminhonetes com metralhadoras montadas acompanharam as tropas. O porta-voz do SPLA, Philip Aguer, disse que 3.000 soldados foram retirados, e que o resto sairia na segunda-feira.

(Texto de Alexander Dziadosz)

Tudo o que sabemos sobre:
SUDAOSULRETIRATROPASFRONTEIRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.