'Temos que nos guiar por fatos, não por medo' de Ebola, pede Obama

Presidente americano elogiou a resposta rápida de funcionários de NY no isolamento e tratamento de médico infectado pela doença

Roberta Rampton, REUTERS

25 de outubro de 2014 | 09h58

O presidente Barack Obama elogiou os nova-iorquinos por sua reação calma ao primeiro caso de Ebola e disse aos norte-americanos em seu discurso semanal, neste sábado, 25, que a resposta para os casos internos de doenças mortais devem ser baseadas em "fatos, e não medo".

Foi a segunda semana consecutiva que Obama usou seu discurso para falar diretamente com os norte-americanos sobre a resposta ao Ebola, que se transformou em uma questão política nos dias que antecedem as eleições parlamentares de 4 de novembro.

"Nós temos que ser guiados pela Ciência. Nós temos que ser guiados pelos fatos, não pelo medo", disse Obama.

"Ontem, os nova-iorquinos nos mostraram o caminho. Eles fizeram o que eles fazem todos os dias: desceram dos ônibus, do metrô, lotando elevadores, dirigindo-se para o trabalho, reunindo-se em parques", ele disse.

Obama elogiou a resposta rápida de funcionários de Nova York no isolamento e tratamento do médico Craig Spencer, que atuou em ajuda humanitária na África e testou positivo para Ebola na quinta-feira.

Spencer, de 33 anos, infectado depois de tratar de pacientes com Ebola no oeste africano, tornou-se a quarta pessoa diagnosticada com a doença nos EUA e a primeira em sua maior cidade.

Mais conteúdo sobre:
EbolaObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.