Nova Zelândia confirma 2 mortes após terremoto

Nova Zelândia confirma 2 mortes após terremoto

Um poderoso tremor foi registrado nas proximidades da cidade de Christchurch na madrugada de segunda-feira no horário local (cerca de 9h de domingo em Brasília), causando danos a prédios num raio de mais de 200 quilômetros, na capital Wellington

O Estado de S. Paulo

13 Novembro 2016 | 10h19

O primeiro-ministro da Nova Zelândia, John Key, afirmou que duas pessoas morreram em um poderoso terremoto registrado na nação do Pacífico. "Não temos nenhuma indicação neste momento para acreditar que a situação vai piorar, mas não podemos descartar essa possibilidade", disse Key a repórteres em Wellington, acrescentando que detalhes das mortes ainda estavam sendo confirmados.

Key disse que um helicóptero militar foi enviado à cidade costeira Kaikoura, um destino turístico, próxima do epicentro do terremoto de magnitude 7,8, a aproximadamente 91 km ao norte de Christcrhuch, em South Island.

As primeiras ondas do tsunami chegaram neste domingo  à costa leste da Nova Zelândia. "As pessoas na costa leste (incluindo as ilhas Chatham), perto do epicentro, podem esperar ondas de entre três e cinco metros. Movam-se em direção a áreas elevadas", alertou o Ministério da Defesa Civil e Gestão de Desastres neozelandês em sua conta no Twitter.

As primeiras retiradas foram efetuadas na parte nordeste da Ilha do Sul, onde aconteceu o tremor. O Ministério recomendou aos moradores do litoral leste do país que se desloquem "rumo a zonas elevadas ou o mais possível terra dentro", assim como a subir nos andares superiores dos edifícios ou até mesmo em  árvores.

O poderoso terremoto foi registrado nas proximidades da cidade de Christchurch na madrugada de segunda-feira no horário local (cerca de 9h de domingo em Brasília), causando danos a prédios num raio de mais de 200 quilômetros, na capital Wellington.

Também foi registrado um tremor de magnitude 6,2 no noroeste da Argentina na manhã deste domingo, 13. Até o momento, não há relatos de danos materiais ou de feridos. O epicentro do tremor foi a 26 quilômetros ao norte da comunidade de Chilecito na província de La Rioja, com uma profundidade de cerca de 100 quilômetros.

Em Wellington, 214 quilômetros a norte do epicentro do terremoto, o fornecimento de energia elétrica foi interrompido em algumas localidades. Algumas janelas foram quebradas e chaminés colapsaram. 

O centro do terremoto foi a 93 quilômetros a norte de Christchurch, de acordo com dados do Serviço Geológico dos Estados Unidos. Num primeiro momento, foi atribuída magnitude de 7,4 ao terremoto e, mais tarde, o serviço americano já indicava magnitude de 7,8 na escala Richter.

O terremoto foi relativamente superficial, com profundidade de 10 quilômetros. Terremotos assim tendem a ser sentidos com maior força na superfície.

O tremor trouxe lembranças de outro terremoto, em 2011, que atingiu Christchurch, destruindo grande parte da cidade e matando 185 pessoas. O evento de hoje, porém, ocorreu muito mais distante de qualquer grande centro populacional. / AP e EFE

 

Mais conteúdo sobre:
Nova ZelândiaBrasília

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.