Terremoto pode ter matado mais de 5 mil na China

Tremor de 7,8 graus sacudiu sudoeste do país; pelo menos 10 mil estariam feridos.

Da BBC Brasil, BBC

12 de maio de 2008 | 10h35

O terremoto que atingiu o sudoeste da China nesta segunda-feira pode ter matado mais de cinco mil pessoas, segundo a agência de notícias oficial do país.Pelo menos 10 mil pessoas estariam feridas na província de Sichuan.De acordo com a agência Xinhua, cinco mil seria o número de mortos em apenas um dos condados da província.O governo enviou tropas para os trabalhos de resgates. Acredita-se que 900 estudantes estejam soterrados em uma escola que desabou na cidade de Dujiangbyan, que fica a cerca de cem quilômetros do epicentro do terremoto.Bangcoc e TaipeiO tremor, registrado às 14h28 (3h28 de Brasília), teve seu epicentro a 92 quilômetros da capital da província, Chengdu.As comunicações com a cidade, que têm uma população de mais de 10 milhões de pessoas, foram interrompidas. O governo chinês enviou tropas ao local.O presidente da China, Hu Jintao, pediu que "todos" os esforços sejam concentrados para ajudar as vítimas. O premiê chinês, Wen Jiabao, está viajando para a região atingida. O terremoto também foi sentido em Pequim, Xangai e Hong Kong. Alguns dos prédios mais altos chegaram a tremer e tiveram de ser evacuados. Alguns tremores foram sentidos até em Bangcoc, capital da Tailândia, e em Taipei, capital de Taiwan. Em Pequim, que fica a 1,5 mil quilômetros de Chengdu, há relatos de que alguns prédios tremeram por cerca de dois minutos.No distrito financeiro da cidade, muitas pessoas abandonaram os edifícios. Não há relatos de danos. O prédio mais alto da China, a torre Jinmao, em Xangai, também foi evacuada. O edifício tem 88 andares. Terremotos acontecem com freqüência na China. Em março, um tremor de 7,2 pontos atingiu a província de Xinjiang, no oeste do país.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
chinaterremototremorsichuanrichter

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.