Toyota expande recalls

Problemas no acelerador chegam à Europa e China

, O Estadao de S.Paulo

29 de janeiro de 2010 | 00h00

Os problemas que afetam os carros da Toyota nos Estados Unidos chegaram também à Europa e à China. A empresa anunciou ontem que o recall de milhões de seus veículos provocado por problemas nos pedais de aceleração será estendido também à Europa.

A empresa disse ainda não ter determinado quantos veículos na Europa serão chamados, ou quando, mas a imprensa e analistas disseram que cerca de 2 milhões de carros podem ser afetados, com outros 6 milhões já sendo considerados na América do Norte. Na China, a montadora informou que fará um recall de 75,5 mil unidades do jipe RAV4, também por causa de problema no acelerador.

O problema interrompeu a produção e as vendas na América do Norte de oito modelos, incluindo o popular Camry, manchando a imagem da empresa de segurança e confiabilidade impecável.

No Brasil, a empresa informou que os problemas não afetam automóveis da marca produzidos localmente e que, por conta disso, não haverá necessidade de recalls no País nem na Argentina. Segundo a companhia, os veículos da Toyota comercializados nesses países são produzidos localmente ou importados do Japão, que também não está envolvido no recall. A empresa produz apenas o Corolla no Brasil.

De qualquer forma, os problemas são um duro golpe para a empresa, e analistas já questionam se valeu a pena para a empresa abrir mão de suas características para se tornar a maior montadora do mundo.

Executivos da Toyota estabeleceram em 2002 a meta ambiciosa de conquistar 15% do setor automotivo global até 2010, significando com isso que ela superaria a General Motors como a número um do mundo. Para chegar lá, ela teria de crescer 50%, construir novas fábricas nos Estados Unidos, China e outros lugares da Ásia e introduzir dezenas de modelos novos.

O objetivo foi atingido, até antes do esperado. Mas esse foco no crescimento acelerado parece ter cobrado um preço de sua reputação, criando uma oportunidade para outros grupos potencialmente recuperarem mercado que perderam para ela.

"Sempre houve uma dúvida sobre a velocidade que eles poderiam avançar", disse James P. Womack, escritor e especialista nos métodos de fabricação da Toyota, sobre o crescimento da empresa. "Estou certo de que eles lamentam ter pisado tão fundo no acelerador."

Para ele, a Toyota também estava pagando caro por se afastar da mensagem que tem sido central para o seu marketing. "Quando todo seu negócio era qualidade, cada erro tem um grande peso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.