Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Vale conclui acordo com Norsk Hydro sobre ativos de alumínio

A Vale anunciou nesta segunda-feira a conclusão da venda, divulgada em maio de 2010, de seus ativos de alumínio para a norueguesa Norsk Hydro.

REUTERS

28 de fevereiro de 2011 | 08h18

O acordo prevê a transferência da participação total da mineradora na Albras, Alunorte e Companhia de Alumina do Pará (CAP), além dos respectivos direitos de exclusividade, contratos comerciais e dívida líquida de 655 milhões de dólares, pelos quais a Vale receberá 22 por cento das ações ordinárias em circulação da Hydro e 503 milhões de dólares em dinheiro após ajustes, conforme documento enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A Vale anunciou ainda a criação de uma nova empresa, a Mineração Paragominas, tendo vendido 60 por cento da mina de bauxita Paragominas para a Hydro por 578 milhões de dólares. Os 40 por cento remanescentes serão pagos em duas parcelas iguais em 2013 e 2015, de 200 milhões de dólares cada.

"De acordo com os termos do acordo, a Vale, através de suas subsidiárias integrais, transferiu para a Hydro 51 por cento do capital total da Albras; 57 por cento do capital total da Alunorte; 61 por cento do capital total da CAP; e venderá 60 por cento do capital total da Paragominas. A Vale permanecerá com 40 por cento do capital até que seja integralmente vendido em 2015", afirma o comunicado.

A Vale subscreveu 447.834.465 ações da Hydro, cerca de 3,5 bilhões de dólares, conforme cotação de fechamento dos papéis da companhia norueguesa na sexta-feira. O acordo determina que a Vale não poderá vender suas ações durante o período de dois anos, além de não poder aumentar sua participação na Hydro além dos 22 por cento.

"A combinação dos ativos da Vale e da Hydro criará uma das maiores e mais competitivas companhias produtoras integradas de alumínio, com potencial de crescimento e acesso a grandes reservas de bauxita, acesso a energia com custos competitivos e know-how tecnológico", acrescenta o documento.

(Por Vivian Pereira)

Tudo o que sabemos sobre:
MINERACAOVALEALUMINIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.