Vice do US Open fica sob suspeita por abandono

Dinamarquesa Caroline Wozniacki é investigada por autoridades da WTA por ter deixado o jogo, alegando contusão, quando vencia fácil a adversária

LUXEMBURGO, O Estadao de S.Paulo

23 de outubro de 2009 | 00h00

Uma suposta armação entre pai e filha causa espanto e indignação no tênis. Há indícios de que a dinamarquesa Caroline Wozniacki, de 19 anos, tenha entregado um jogo que estava a ponto de vencer pela primeira rodada do Aberto de Luxemburgo. A vice-campeã do US Open deste ano derrotava a jogadora local Anne Kremer por 7/5 e 5/0, na terça-feira, quando abandonou a disputa alegando contusão. Autoridades desconfiam de que o resultado favorecia apostadores.

No segundo set, quando Caroline vencia por 3/0, seu pai, Piotr, começou a pedir-lhe para abandonar a partida. Alegava que a contusão iria piorar e ela não poderia disputar a segunda rodada. Portanto, o melhor seria desistir e, assim, entregar a vitória à adversária. Suas palavras foram captadas por microfones e ouvidas por espectadores que acompanhavam a partida pela internet.

"Fui à quadra e disse a Caroline: "Não importa que seja 5/0, 4/1 ou 3/2. Você não poderá jogar a segunda rodada, então, não se arrisque", declarou Piotr, depois do jogo, a uma rádio dinamarquesa. "Estou muito orgulhoso de Caroline porque se retirou da disputa e deu chance a sua oponente de continuar."

Ocorre que as recomendações de Piotr durante o jogo provocaram um incremento considerável nas apostas favoráveis à vitória da até então desconhecida Anne, que é a número 864 do mundo, sobre a sexta colocada no ranking. No ano passado, os organismos que controlam o tênis criaram uma comissão para combater as apostas e, em consequência, os resultados arranjados em partidas. "Estamos analisando tudo o que aconteceu durante esse jogo", declarou o porta-voz da Associação Mundial de Tênis Feminino (WTA), Neil Robinson.

Mesmo que seja pouco provável que Piotr e Caroline tenham conspirado para armar o resultado da partida, a jogadora poderá ser punida por "falta de esforço", segundo o regulamento da WTA. "Há quem aposte nas minhas partidas. Alguns ganham, outros perdem. A única coisa que sei é que estou limpa", disse Caroline a um jornal dinamarquês. "A qualquer um que duvide de minha lesão, posso mostrar a radiografia do hospital e o diagnóstico do fisioterapeuta do torneio."

A manipulação de resultados tira o sono dos dirigentes do tênis. O caso mais famoso ocorreu em 2007, quando o favorito russo Nikolay Davydenko abandonou uma partida contra Martin Vassallo Arguello. O jogo teve um volume incomum de apostas no jogador argentino. Depois de um ano de investigações, ninguém acabou punido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.