PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Justiça Militar em São Paulo absolve soldado que pisou no pescoço de mulher

Por 3 votos a 2, Conselho de Sentença absolveu João Paulo Servato dos crimes de lesão corporal grave, abuso de autoridade, falsidade ideológica e inobservância de regulamento; em julho de 2020, segundo a denúncia da Promotoria, ele agrediu Elisabete Teixeira da Silva, comerciante de Parelheiros, no extremo sul da cidade

Foto do author Pepita Ortega
Por Pepita Ortega
Atualização:

 Foto: Reprodução/Denúncia MPSP

A Justiça Militar em São Paulo absolveu o soldado João Paulo Servato de acusações envolvendo a agressão à Elisabete Teixeira da Silva, comerciante de Parelheiros, no extremo sul da cidade, que tentou impedir abordagem truculenta do policial e de seu colega, o cabo Ricardo de Moraes Lopes, a dois homens que estavam em frente ao estabelecimento. O caso ocorreu em julho de 2020. Denúncia da Promotoria de Justiça Militar de São Paulo indicou que Servato deu três socos no tórax de Elisabete, chutou sua perna e pisou em seu pescoço.

PUBLICIDADE

A Promotoria imputou a Servato crimes de lesão corporal grave, abuso de autoridade, falsidade ideológica e inobservância de regulamento. As duas últimas acusações também foram feitas ao cabo Ricardo.

O Conselho de Sentença da Justiça Militar absolveu ambos, por três votos a dois. O juiz José Álvaro Machado Marques, da 4ª Auditoria Militar, e um capitão que integram o colegiado votaram pela condenação dos militares. O entendimento restou vencido com os votos de outros três capitães, também do Conselho, que absolveram os réus.

Marques marcou a leitura da sentença de absolvição para o dia 30. A partir desta data, a Promotoria pode ingressar com recurso no Tribunal de Justiça Militar do Estado para tentar reverter a decisão.

Na denúncia de oito páginas apresentada à 4ª auditoria de Justiça Militar do Estado de São Paulo em julho de 2021, a promotora Giovana Ortolano Guerreiro narrou que os PMs foram designados para atender uma ocorrência de suposto funcionamento irregular, com base na legislação vigente por conta da pandemia.

Publicidade

De acordo com a promotoria, ao chegarem ao local, os policiais se depararam com dois homens e, sem qualquer justificativa, passaram a agredi-los. Elisabete pediu para que as agressões cessassem, mas acabou sendo empurrada contra a grade de seu estabelecimento. Após novas agressões a um dos homens, a mulher tentou intervir novamente e foi então que Servato foi em sua direção.

"O miliciano desferiu 03 (três) socos no seu tórax e 01 (um) chute em sua perna, o que provocou uma forte dor. Ao verbalizar para o miliciano "você quebrou minha perna", respondeu o PM Servato "quebrou porra nenhuma". Na sequência, o PM Servato pegou a vítima Elisabete pelos cabelos e jogou-a na frente do carro de Alan. Já caída no solo, o PM Servato pisou no pescoço de Elisabete e assim permaneceu existente em seu estabelecimento comercial", registra a denúncia.

Os vídeos do ocorrido indicam que enquanto Servato mantinha seu pé sobre o pescoço de Elisabete, ela sequer oferecia resistência, pois não se movimentava no chão. No momento em que a mulher esboçou um movimento, o PM a segurou, colocou seus braços para trás e arrastou-a pelo chão na direção da viatura.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO FELIPE PIRES MORANDINI, QUE REPRESENTA ELISABETE

Ainda estou incrédulo com a decisão tomada pelo conselho de justiça na data de ontem. As imagens são claras, e demonstram as brutais e abusivas agressões sofridas pela Sra. Elizabete.

Publicidade

Muito se falou ontem, por ambas as partes, acerca da mensagem que se passaria à sociedade e à policia militar naquele processo, e, ao que parece, a mensagem é a de que o Policial Militar tudo pode. Pode agredir, pode mentir, e pode matar. É uma carta branca dada à barbárie.

Ninguém em plena e sã consciência pode considerar normal o que vimos nas imagens, e a impunidade dos policiais reduz a confiança da sociedade na instituição policial. Mostra que ainda há muito a se fazer para que a PMESP recupere a confiança da sociedade, e iso só pode ser feito extirpando aqueles que desonram a farda.

Irei recorrer da sentença assim que for publicada, e espero por justiça pela Sra. Elizabete e por todas as pessoas que sofrem abusos diariamente. Especialmente nas regiões periféricas.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO JOÃO CARLOS CAMPANINI, QUE DEFENDE OS POLICIAIS

A análise completa de todos os fatos presentes no processo levaram à verdadeira justiça. Infelizmente, as imagens apresentadas pela mídia há época apenas representaram pequena parte de tudo o que ocorreu. Elas não mostram principalmente o que mais importa: as agressões sofridas pelos PMs logo que chegaram no local. Foi um caso emblemático para quebrar paradigmas na atuação da Polícia Militar. Os transeuntes atacaram os policiais e eles precisavam se defender. Para mim, a justiça deu um recado: "não parta para cima de um policial militar, não o ataque, não o agrida, ele representa o Estado".

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.