PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Revisor quer Lula na cadeia após recursos finais

Desembargador Leandro Paulsen, do TRF-4, destaca em seu voto pela condenação do ex-presidente a 12 anos e um mês de prisão em regime fechado no caso triplex, que a Súmula 122 da Corte da Lava Jato prevê que nos casos de exaurimento da segunda instância execução de pena deve seguir para cumprimento

PUBLICIDADE

Foto do author Julia Lindner
Foto do author Julia Affonso
Foto do author Luiz Vassallo
Por Ricardo Brandt,Julia Lindner,Renan Truffi,Julia Affonso,Luiz Vassallo e enviados especiais a Porto Alegre
Atualização:

Lula. FOTO DIDA SAMPAIO/ESTADAO 

O desembargador Leandro Paulsen, revisor da Lava Jato no Tribunal Regional Federal da 4. Região (TRF-4), deixou expresso, ao final do seu voto pela condenação de Lula a 12 anos e um mês de prisão em regime fechado, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso triplex, que a pena deve ser imediatamente executada em caso de decisão unânime da Corte e se esgotados todos os recursos ainda cabíveis no âmbito da segunda instância.

3 a 0: veja quais são os cenários possíveis para Lula

Paulsen seguiu integralmente o voto do relator do julgamento do petista, o desembargador João Pedro Gebran Neto, que inaugurou a sessão histórica com um voto de três horas e meia pela condenação de Lula a 12 anos e um mês de cadeia.

+ Entenda os cenários para Lula após julgamento do Tribunal da Lava Jato

Lula pode ser preso? Especialistas respondem

Publicidade

Triplex foi alvo da Promotoria e do MPF: toda a investigação

Por dentro do triplex: veja fotos do imóvel

PUBLICIDADE

O terceiro magistrado, desembargador Victor Luiz dos Santos Laus, também votou pela mesma pena a Lula, levando a decisão à unanimidade.

"O TRF-4 já dispõe de uma súmula que dispensa maior argumentação", anotou Paulsen ao apontar para a necessidade do cumprimento da pena em regime fechado imposta ao réu.

O revisor observou. "É de se dizer que essa turma passou a adotar o entendimento pela execução da pena a partir do exaurimento da segunda instância. E por que isto? Porque o exaurimento da segunda instância exauri também o juízo de culpabilidade, se o crime ocorreu ou não, quem são os seus autores, se houve ou não culpa. Portanto, os elementos necessários para uma condenação se exauri na segunda instância."

Publicidade

O JULGAMENTO: + Defesa de Okamotto também ataca acusações a Lula

PUBLICIDADE

O triplex não é do ex-presidente Lula, insiste defesa

Ele pediu o cumprimento da Súmula 122, do TRF-4, que prevê a execução de pena de sentenciado. "Essa turma adotou, antes mesmo da modificação do entendimento do Supremo Tribunal Federal, a posição de que se tinha que dar início à sentença, independentemente da pertinência de recursos excepcionais."

"E excepcionais por quê? Porque embora possam funcionar como um instrumento de defesa, o recurso especial e o recurso extraordinário são recursos para a preservação do sistema, a preservação da lei federal, da Constituição da República e, por isso, não são dotados de efeitos suspensivos", destacou o magistrado.

"Determino, então, com fundamento na Súmula 122, que assim que exaurida a segunda instância, que se oficie ao juizo de primeiro grau (Sérgio Moro, de Curitiba) para que dê, sim, início ao cumprimento da pena."

Publicidade

Por meio de sua Assessoria de Imprensa, o TRF-4 esclareceu o passo a passo da execução provisória da pena, em caso de julgamento criminal no segundo grau.

1) Quando a condenação é por unanimidade pela turma de julgamento, a execução se dá após o julgamento dos embargos de declaração pela própria turma, esgotando o julgamento de segunda instância.

2) Quando o julgamento da turma não é unânime, a execução se dá pós julgamento de embargos de declaração pela própria turma criminal e posterior julgamento de embargos infringentes pela 4.ª Seção de julgamento, que reúne as duas turmas criminais do TRF-4 (7.ª e 8.ª turmas).

3) Só então se esgota o julgamento de segundo grau

4) Nos dois casos a primeira instância é comunicada e promove a execução provisória da pena.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.