PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

PGR diz que Rivaldo Barbosa pode recorrer a ‘contatos’ na milícia se for colocado em liberdade

Procurador-geral Paulo Gonet defende que STF mantenha prisão preventiva de delegado denunciado por suposta participação no assassinato da vereadora Marielle Franco

Foto do author Rayssa Motta
Por Rayssa Motta
Rivaldo Barbosa está preso preventivamente por ordem do STF; defesa alega que não há fundamentos para manutenção da prisão. Foto: Pedro Kirilos

O procurador-geral da República, Paulo Gonet, defendeu que o Supremo Tribunal Federal (STF) mantenha a prisão preventiva do delegado Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil do Rio, denunciado por suspeita de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco.

PUBLICIDADE

Em parecer enviado ao ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito no STF, o procurador-geral afirma que não há mudança no quadro geral da investigação que justifique a flexibilização da prisão.

Para Gonet, se for colocado em liberdade, o delegado pode tentar atrapalhar o andamento do inquérito, como já teria feito após a morte de Marielle.

“O requerente, além de ter ajudado no planejamento do crime, empreendeu esforços a fim de evitar o avanço da investigação do caso. Não se descarta, portanto, a possibilidade de ele, em liberdade, praticar atos tendentes a atrapalhar a instrução processual da ação penal oferecida pela Procuradoria-Geral da República”, diz um trecho da manifestação encaminhada ao STF.

Delegado, ex-chefe da Polícia Civil do Rio, foi denunciado por suposta tentativa de atrapalhar investigação sobre a morte de Marielle. Foto: Wilton Júnior/Estadão

O PGR também chama atenção para a suspeita de envolvimento do delegado com milicianos e contraventores. “Sua libertação, aliada ao poderio econômico de que dispõe e dos contatos com as redes ilícitas existentes no Município do Rio de Janeiro, poderá frustrar a própria aplicação da lei penal e comprometer a instrução criminal.”

Publicidade

Na avaliação do procurador-geral, medidas cautelares alternativas, como o uso de tornozeleira eletrônica, não são suficientes diante das “peculiaridades” do caso.

A defesa de Rivaldo Barbosa pede que ele responda ao processo em liberdade. Os advogados alegam que o delegado tem bons antecedentes e não oferece risco à ordem pública.

Rivaldo Barbosa está entre os cinco denunciados pela PGR pelo atentado que matou Marielle. A denúncia foi oferecida na semana passada. Cabe agora ao STF decidir se abre uma ação penal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.