PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Opinião|PM Sabrina e o fim de um sonho

convidado
Atualização:

Sabrina Franklin, com apenas dois anos de serviço na Polícia Militar, deixa seu marido, também policial, com o sonho de construir uma família. Covardemente, ela foi morta enquanto voltava para casa, em Parelheiros, na zona sul de São Paulo, vítima de uma violência brutal.

PUBLICIDADE

As manchetes resumem sua vida em “Policial militar morre após tentativa de roubo”, apagando sua identidade e sonhos.

Perceber que Sabrina perdeu sua identidade de “mulher vítima de violência”, com sonhos e uma vida a ser vivida, para uma estatística fria de “policial militar é morta” é revoltante. No momento que Sabrina foi assassinada , estava fora de serviço e vestindo roupas civis, uma pessoa com sentimentos, aspirações e uma família.

O trágico episódio envolvendo Sabrina é profundamente indignante e nos leva a reflexões profundas. Infelizmente, ela se tornou vítima não apenas da violência brutal, mas também da leniência que por vezes beneficia os criminosos. Sua execução covarde evidencia não apenas a fragilidade da segurança pública, mas também uma distorção na narrativa quando se trata de mulheres vítimas de violência.

A sua morte não apenas representa uma perda irreparável para sua família, mas também destaca questões profundas de desumanização que permeiam a realidade dos policiais, especialmente das mulheres, na sociedade.

Publicidade

A desvalorização do policial como ser humano, expressa na frieza com que são tratados, é chocante e inaceitável. A invisibilidade dada a essas mortes sugere uma cegueira social, como se a vida de um policial não fosse valiosa, como se não importasse.

A perturbadora normalização da ideia de que os policiais estão destinados a perder a vida perpetua uma visão desoladora da sociedade. Parece que, para alguns, assinar um contrato vitalício com uma cláusula de morte certa é o destino inquestionável de quem escolhe a carreira policial. Essa normalização, naturalização e banalização da violência contra policiais revelam uma desumanização preocupante na forma como a sociedade encara esses profissionais.

Essa distorção na abordagem não apenas desvaloriza a individualidade e a tragédia pessoal de Sabrina, mas também perpetua uma visão desumana da violência, que, em última análise, afeta todos os policiais. É essencial que questionemos e repensemos a forma como a sociedade e a mídia abordam casos como o de Sabrina, para que as vítimas não sejam reduzidas a meros rótulos e para que a urgência em combater o crime seja verdadeiramente reconhecida e enfrentada, inclusive contra todas as mulheres, incluindo as policiais.

Convidado deste artigo

Foto do autor Raquel Gallinati
Raquel Gallinatisaiba mais

Raquel Gallinati
Delegada de polícia. Diretora da Associação dos Delegados de Polícia do Brasil. Mestre em Filosofia. Pós-graduada em Ciências Penais, Direito de Polícia Judiciária e Processo Penal
Conteúdo

As informações e opiniões formadas neste artigo são de responsabilidade única do autor.
Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Estadão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.