EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Coluna do Estadão

| Por Roseann Kennedy

Roseann Kennedy traz os bastidores da política e da economia, com Eduardo Gayer e Augusto Tenório

Tebet já avisou MDB que não sobe em palanque de Ramagem no Rio

Ministra de Lula afirmou a interlocutores que não será cabo eleitoral quando o cabeça de chapa for apoiador do ex-presidente Jair Bolsonaro

PUBLICIDADE

Foto do author Eduardo Gayer
Foto do author Roseann Kennedy
Por Eduardo Gayer e Roseann Kennedy

Antes mesmo da operação deflagrada nesta quinta-feira pela Polícia Federal em endereços ligados ao deputado federal Alexandre Ramagem (PL), a ministra do Planejamento, Simone Tebet, já avisara à cúpula do MDB que não subirá no palanque do bolsonarista no Rio de Janeiro, onde ele é pré-candidato a prefeito.

PUBLICIDADE

Em conversas reservadas, Tebet, que se tornou expoente nacional do MDB, tem deixado claro que não fará campanha para chapas lideradas por bolsonaristas, nem mesmo em colégios eleitorais estratégicos, como a capital fluminense.

O MDB ainda não decidiu se lançará o deputado federal Otoni de Paula (MDB) à prefeitura carioca ou se, de fato, apoiará Alexandre Ramagem em troca da aliança do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) com Ricardo Nunes (MDB) em São Paulo.

A ministra do Simone Tebet (Planejamento e Orçamento), expoente do MDB. Foto: WILTON JUNIOR/ESTADÃO

Seja como for, tanto Otoni quanto Ramagem são bolsonaristas convictos e, por isso, não terão a ajuda de Simone Tebet — que obteve 4,41% dos votos válidos no Rio no primeiro turno da disputa pela Presidência da República em 2022.

Ainda assim, é possível que a ministra do presidente Luiz Inácio Lula da Silva faça campanha para Ricardo Nunes em São Paulo, que foi um aliado importante durante sua empreitada presidencial. O presidente do MDB, Baleia Rossi, garante que Simone Tebet estará no palanque do prefeito. Mas se Bolsonaro subir ao palco do paulistano, avisam interlocutores da ex-senadora, ela não o fará.

Publicidade

Como mostrou a Coluna do Estadão, Tebet entrou para um seleto grupo de referências do MDB. Uma pesquisa qualitativa encomendada pelo partido identificou os políticos da sigla “que vem à mente” da população. Além de Ulysses Guimarães, a lista teve os seguintes nomes citados nacionalmente: Tancredo Neves, Itamar Franco, José Sarney, Simone Tebet e Michel Temer.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.