Morre o ex-prefeito de Campinas Jacó Bittar

Foto: Gustavo Magnusson/AAN/AE

Fundador do PT e idealizador da CUT faleceu em casa nesta quinta-feira

Por Levy Teles
Atualização:

Ex-prefeito de Campinas, fundador do PT e idealizador da CUT, Jacó Bittar faleceu nesta quinta-feira, 26, em sua casa em Campinas, por decorrência do mal de Parkinson. Bittar deixa três filhos.

Nascido em Manduri, no interior de São Paulo, em 1940, Bittar foi petroleiro, amigo próximo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no tempo de luta sindical na década de 1970 e ajudou a fundar o PT em 1980.

O ex-presidente Lula esteve no enterro de Jacó Bittar na tarde desta quinta-feira, 26.
O ex-presidente Lula esteve no enterro de Jacó Bittar na tarde desta quinta-feira, 26. 

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Os dois se encontraram recentemente. “Nos vimos pela última vez em maio desse ano. Emocionei-me em ver meu amigo sem saber que seria pela última vez”, escreveu Lula, em nota de pesar. “Jacó deu uma contribuição imensa para os petroleiros, a classe trabalhadora, Campinas e o Brasil.”

Bittar foi prefeito de Campinas entre 1989 e 1992. Ele trocou o PT pelo PSB — partido que era até então filiado — em 1991.

“Bittar deixa um legado de luta pela democracia e pela transformação social do País”, escreveu o PSB, em nota de pesar que relembra os feitos dele enquanto prefeito.

O PT recordou o passado sindical e a participação na sigla e na CUT em nota. “Jacó Bittar liderou com Lula e Olivio Dutra uma geração de jovens dirigentes sindicais que resistiram à ditadura militar e escreveram páginas decisivas na história da democracia brasileira”, diz o texto.

Lideranças como a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, o pré-candidato ao governo de São Paulo Márcio França e o ex-governador da Bahia Jaques Wagner lamentaram a morte.

O velório aconteceu na tarde desta quinta-feira, em Campinas, e teve a presença de Lula e do governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade