Presídio da PM é interditado por 90 dias no Rio

A Justiça do Rio determinou nesta segunda-feira a interdição por 90 dias do Batalhão Especial Prisional (BEP), presídio para policiais militares. Nesse período, o BEP deve ser submetido a reformas para retornar à sua configuração inicial (uma estrutura gradeada com camas e banheiros), com a retirada de qualquer benfeitoria realizada por presos ou pela administração.

FÁBIO GRELLET, Agência Estado

03 Dezembro 2012 | 22h01

Durante o período da interdição será proibido o ingresso de presos na unidade. A Justiça também decidiu que todos os equipamentos eletrodomésticos existentes nas celas e nas áreas comuns devem ser retirados em 24 horas, sob pena de multa diária de R$ 1 mil. A presença desses aparelhos foi constatada durante vistoria do Serviço de Fiscalização da Vara de Execuções Penais.

Na decisão, o juiz Carlos Eduardo Carvalho de Figueiredo, da Vara de Execuções Penais, ressalta que o BEP tem características próprias, como ser ocupado por policiais militares que ainda não foram excluídos da corporação ou que não receberam condenações definitivas e possuir um efetivo relativamente pequeno (cerca de 300 presos), se comparado com uma prisão comum.

"Ao longo dos anos os próprios apenados foram construindo mobiliário na marcenaria existente na unidade e efetuando algumas melhorias dentro das celas. Tal fato não traria nenhuma consequência negativa desde que todos os presos estivessem na mesma situação e não, como se vê, melhorias para uns e não para outros, o que (...) não se admite", escreveu o juiz na decisão.

Mais conteúdo sobre:
PM presídio Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.