PUBLICIDADE

Dilma cobra, mas Vale não prevê projeto de potássio para 2012

Por SABRINA LORENZI E HUGO BACHEGA
Atualização:

Apesar de o projeto de potássio Carnalita, no Sergipe, não constar da lista de principais projetos da Vale para 2012, a presidente Dilma Rousseff espera que o empreendimento seja iniciado no ano que vem, segundo o governador do estado, Marcelo Deda. A Vale negocia com a Petrobras há pelo menos quatro meses a cessão de direitos minerários ou alguma alternativa que viabilize a exploração de potássio do tipo carnalita em local próximo a uma mina onde já explora o mineral em Sergipe. O projeto de potássio da Vale esbarra na exploração de petróleo da Petrobras, já que a região também possui o óleo. Segundo Deda, Dilma disse ter convocado uma reunião com as duas empresas para falar da importância do projeto para o país e discutir formas de avançar. Avaliado em cerca de 4 bilhões de dólares, o projeto é considerado pelo governo importante para reduzir as importações de potássio, estimadas em mais de 90 por cento do consumo. O governador disse que Dilma tem convicção de que se trata de um projeto prioritário, não só de política agrícola, mas de consolidação da política econômica. Petrobras e Vale ainda não chegaram a um acordo sobre o projeto de potássio Carnalitas no Sergipe porque negociam como tornar compatível a exploração de petróleo e de potássio existentes na mesma localidade, afirmou recentemente o diretor de Operações da Vale Fertilizantes, Marcelo Fenelon. A Petrobras é dona dos direitos de exploração no local. As reservas de potássio estão localizadas na mesma região do campo de Carmópolis, o segundo maior produtor de petróleo em terra do país. O campo de Carmópolis produz cerca de 22 mil barris por dia e só perde para o campo de Urucu, que extrai 44 mil barris por dia. PETRÓLEO E POTÁSSIO NÃO COMBINAM "Está sendo discutida a convivência da lavra de petróleo com a lavra de potássio. Convivência ou prioridade", disse Fanelon na ocasião, ao ser indagado sobre o que falta para que um acordo entre Vale e Petrobras seja realizado. Segundo uma fonte ligada ao processo, o método de exploração de potássio que a Vale pretende usar na região, de dissolução da rocha de carnalita, pode deteriorar a estrutura que mantém os depósitos de petróleo. Outra hipótese é que a extração de petróleo e potássio não pode ser realizada ao mesmo tempo por causa de possíveis explosões provocadas pelos hidrocarbonetos. PRODUÇÃO ESPERADA A Vale já tem um contrato de arrendamento com a Petrobras pelo qual produz potássio na região a partir da mina de Taquari-Vassouras. O objetivo da Vale é ampliar a produção de potássio em mais de três vezes a partir da exploração de outras minas que ficam na área da Petrobras. A Vale já explora a mina de potássio arrendada da Petrobras em Sergipe desde 1991 e produz cloreto de potássio a partir dos sais de silvinita, num volume de cerca de 700 mil toneladas anuais. Com um acordo com a Petrobras, a produção em Sergipe poderá mais que triplicar, segundo disse o presidente da Vale, Murilo Ferreira. A Vale informou que o projeto Carnalita "continua no pipeline de projetos da Vale". "Porém, como descrito no capex, só temos detalhes atualizados dos projetos já aprovados pelo Conselho de Administração", acrescentou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.