PUBLICIDADE

Equipe de Israel que vai ajudar nas buscas em Brumadinho chega a MG

Grupo é formado por 136 militares especializados em resgate. Equipe traz equipamentos de engenharia, que poderão ser usados para monitorar a situação das barragens, e de variação de temperatura, para ajudar nas buscas por vítimas

Por Paula Reverbel, Ricardo Galhardo e Luan Santos
Atualização:
Grupo formado por 136militares israelenses vai atuar nas buscas em Brumadinho. Foto: Embaixada de Israel no Brasil

SÃO PAULO - O avião com 136 militares de Jerusalém, em Israel, pousou por volta das 21h20 deste domingo, 27, no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins. Os soldados foram recepcionados pelo governador de Minas Gerais,Romeu Zema (Novo), e pelo Secretário de Segurança Pública do estado, General Mário Araújo. O governador irá se reunir com o grupo ainda nesta noite para planejar os trabalhos que devem começar nesta segunda-feira, 28.

PUBLICIDADE

Os militares irão ajudar nas buscas por vítimas do rompimento da barragem da mineradora Vale, em Brumadinho, onde até o momento 58 mortes foram confirmadas. Junto com o grupo, vieram cerca de 16 toneladas de equipamentos. Um deles são os sonares, usados em submarinos para localizar pessoas em grandes profundidades. O aparelho tem detectores de vozes e possui alta qualidade de recepção de imagens.

​Veja em tempo real as últimas notícias sobre a tragédia de Brumadinho

A equipe também traz equipamento usados para avaliar a situação das outras barragens do complexo da Vale em Brumadinho. O objetivo é verificar o risco das instalações. Há ainda um equipamento que detecta variações de temperatura e poderá ser usado na busca por vítimas. A equipe é formada por médicos, socorristas e especialistas em resgate.

A operação foi coordenada pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu com apoio de Yossi Shelley, embaixador de Israel no Brasil.

Após sobrevoar a área da trágédia, na manhã de sábado, 26, o presidente anunciou a parceria com Israel apra localização das vítimas.

Um dos principais articuladores da parceria foi o empresário Fábio Wajngarten. Ele intermediou as conversas de Shelly com o Palácio do Planalto, ainda enquanto Bolsonaro voava para Brumadinho na manhã de sábado. O embaixador estava no seu país acompanhando a visita do ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes. Wajngarten entrou em contato com ele e contou sobre o que tinha ocorrido em Brumadinho.

Publicidade

Após o sobrevoo, o primeiro ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, conversou por telefone com o presidente oferecendo homens e tecnologia para ajudar a lidar com o desastre. Wajngarten é presidentedo Hospital Hadassah de Jerusalém no Brasil e membro do board internacional do hospital.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.