PUBLICIDADE

Executivos pedem a Obama que interrompa austeridade fiscal

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Executivos de finanças pediram ao governo dos Estados Unidos e ao Congresso que parem com as medidas de austeridade fiscal no final do ano, mas não propuseram novas ideias para substituir os orçamentos duros e as medidas fiscais. "As consequências da inação...seriam graves", disseram membros do Fórum de Serviços Financeiros, uma organização comercial da indústria, em uma carta enviada ao presidente Barack Obama e aos membros do Congresso, divulgada nesta quinta-feira. A carta foi assinada por 15 altos executivos de algumas das maiores companhias de serviços financeiros dos Estados Unidos e do mundo, incluindo Bank of America, JPMorgan Chase e Goldman Sachs. Se a Casa Branca e o Congresso não conseguirem evitar, 1,2 trilhões de dólares em gastos serão cortados a partir do dia 2 de janeiro de 2013 e os cortes de impostos criados pelo ex-presidente George W. Bush venceriam no dia 31 de dezembro. No mês passado, os presidentes-executivos de algumas das maiores empresas norte-americanas também pediram ao Congresso dos Estados Unidos que intensificassem seus esforços para evitar o colapso fiscal. (Por Mark Felsenthal)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.