PUBLICIDADE

Idosa de 90 anos, dada como morta, é achada viva em necrotério de SC

Mulher voltou a ser hospitalizada, mas veio a falecer na madrugada da última segunda-feira

Foto do author Caio Possati
Por Caio Possati
Atualização:

Uma idosa de 90 anos foi encontrada viva em um necrotério da cidade de São José, na Grande Florianópolis, em Santa Catarina, horas depois de o hospital onde ela estava internada tê-la declarado como morta, no último sábado, 25. Após a constatação do falso óbito, Norma Silveira da Silva voltou a ser hospitalizada, mas veio a falecer na madrugada de segunda-feira, 27.

PUBLICIDADE

A identificação de que a vítima ainda estava viva foi percebida pelo funcionário de um crematório, que foi ao necrotério buscar o cadáver. Ele teria percebido que o corpo da idosa estava quente e ainda não estava rígido.

A cuidadora Jéssica Silvi Pereira, 30 anos, amiga de Norma, relatou ao Estadão que a vítima deu entrada no Hospital Regional de São José Dr. Homero de Miranda com saúde bastante debilitada. A idosa teria sido levada para a sala de reanimação.

Hospital Regional São José, onde a idosa de 90 anos foi internada. Foto: Google Street View

“No sábado à tarde, eu fui visitar ela e ela abriu o olho. Ela não tinha muitos estímulos, mas ela conseguiu abrir o olho e viu que estávamos ali”, conta a amiga. No sábado à noite, ela e um filho da idosa receberam a notícia de que a idosa tinha morrido.

Na declaração de óbito emitida pelo hospital, e que a reportagem teve acesso, consta que Norma Silveira da Silva teria morrido por “infecção do trato urinário”. Segundo Jéssica, o corpo da vítima foi enviado para o necrotério, sem tempo para que a família pudesse ver a idosa.

A amiga conta que um funcionário do crematório, que foi ao necrotério para buscar Norma, estranhou porque o corpo dela ainda estava quente e, pelo horário do óbito, deveria estar mais frio. Além disso, ao levantar a idosa, o braço dela teria caído, em um sinal de que o corpo ainda não estava rígido.

O funcionário, então, abriu o saco que envolvia a idosa, e percebeu que ela estava respirando, relata Jéssica. Mesmo depois de ser hospitalizada novamente, Norma morreu no começo da madrugada de segunda-feira, 27. Na segunda declaração de óbito emitida pela unidade, que o Estadão também teve acesso, o documento aponta como causa de morte “choque séptico” provocado por “sepse com foco indefinido”.

Publicidade

Jéssica alega que ela e a família não tiveram, por parte dos médicos, explicações claras sobre a morte de Norma.

A direção do Hospital Regional de São José Dr. Homero de Miranda afirma, por meio da Secretaria da Saúde de Santa Catarina, que a paciente encontrava-se em tratamento paliativo, “tendo permanecido nas dependências do Hospital durante toda a intercorrência”.

A unidade informou também que foi aberto um processo de sindicância “para apurar as responsabilidades diante do fato e notificado o Comitê de Ética Médica e à Comissão de óbito”.

O Conselho Regional de Medicina do Estado catarinense afirmou que “tomou conhecimento da situação e vai instaurar procedimento adequado para acompanhar o caso”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.