PUBLICIDADE

Microsoft e Nokia exigem que Comissão Europeia aja contra Android

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Empresas como a Microsoft e a Nokia aumentaram a pressão sobre reguladores antitruste da União Europeia para agirem contra o Google, acusando-o de bloquear a concorrência na telefonia móvel. A queixa ocorre enquanto o Google tenta solucionar uma investigação de dois anos da Comissão Europeia sobre suas práticas de busca na Internet, e evitar uma eventual multa que poderia chegar a 5 bilhões de dólares, ou 10 por cento de sua receita de 2012. O foco inicial da investigação era sobre o seu serviço de busca nos computadores, porém o Comissário para Concorrência da União Europeia, Joaquín Almunia, disse no ano passado que tinha recebido queixas sobre o Google Android, sistema operacional para smartphones mais popular do mundo. Almunia disse que pretende chegar a um acordo com o Google, na segunda metade do ano. Os autores da denúncia, no entanto, estão frustrados com o ritmo de sua investigação. Em uma denúncia feita pública na terça-feira por seu grupo de lobby FairSearch, os rivais do Google acusaram a empresa de usar o Android para desviar o tráfego para o seu motor de busca. Outros membros do FairSearch incluem a 3a maior fabricante de softwares Oracle, os sites de viagem Expedia e TripAdvisor, o site francês de comparação de compras Twenga, o site britânico de comparação de preços Foundem e o adMarketplace, sediado nos EUA. "O Google está usando seu sistema operacional móvel Android como um 'cavalo de Troia' para enganar parceiros, monopolizar o mercado de telefonia móvel, e controlar os dados de consumo", afirmou o advogado do grupo FairSearch, Thomas Vinje, em um comunicado. "Falhar em agir só vai incentivar o Google a repetir seus abusos, à medida que os consumidores se voltam cada vez mais para uma plataforma móvel dominada pelo sistema operacional Android do Google", disse. A Comissão não quis comentar. O porta-voz do Google, Al Verney, disse que a empresa continua a trabalhar em cooperação com o órgão regulador. (Reportagem de Foo Yun Chee)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.