PUBLICIDADE

Por que a Nasa decidiu adiar a missão que vai levar o homem de volta à Lua? Entenda

Agência anunciou mudança no cronograma nesta terça-feira. Série de questões técnicas justificam decisão, explicam diretores

Por Kenneth Chang

Para a Nasa e seus astronautas, a Lua não está mais distante em termos de distância, mas está se distanciando ainda mais no futuro. As autoridades da agência espacial anunciaram na terça-feira, 9, que a Artemis II, a primeira missão americana a enviar astronautas para perto da Lua em mais de 50 anos, não será realizada no final deste ano, como havia sido programado.

Eles estabeleceram a data-alvo de setembro de 2025 para a missão, que dará a volta na lua sem pousar lá. O atraso na Artemis II também atrasa a missão subsequente, a Artemis III, que deverá pousar dois astronautas na Lua, próximo ao polo sul. Isso agora não ocorrerá antes de setembro de 2026.

  • A Artemis II será a primeira missão a enviar astronautas ao espaço usando o enorme foguete Space Launch System da Nasa e a cápsula Orion, e os funcionários da NASA querem corrigir possíveis problemas que possam colocar a tripulação em perigo.

“Não voamos até que esteja pronto”, disse Bill Nelson, administrador da NASA, durante uma coletiva de imprensa na tarde de terça-feira. “A segurança é fundamental.”

  • Para explicar o atraso da missão, as autoridades citaram uma série de questões técnicas, incluindo preocupações com os componentes eletrônicos do sistema de suporte à vida que manterá os astronautas vivos dentro da Orion, análise contínua do desgaste do escudo térmico da cápsula durante uma missão anterior sem tripulação e reparos na torre de lançamento.

Diferentemente das missões Apollo, Artemis II não entrará em órbita ao redor da Lua. A cápsula Orion girará em torno da Lua, usando a gravidade lunar para lançá-la de volta à Terra para um pouso no Oceano Pacífico. A viagem completa deve levar cerca de 10 dias.

A tripulação será composta por três astronautas da Nasa — Reid Wiseman, Victor Glover e Christina Koch — e um astronauta canadense, Jeremy Hansen.

Publicidade

Amit Kshatriya, administrador associado adjunto encarregado do programa Moon to Mars da Nasa, disse que a descoberta de problemas com as válvulas do sistema de suporte à vida da cápsula Orion foi a principal causa do atraso do atraso do Artemis II.

O Artemis I, um lançamento de teste do foguete SLS que enviou uma cápsula Orion sem tripulação em um voo de teste de semanas ao redor da Lua, estava programado para o final de 2020, mas não foi lançado até novembro de 2022 Foto: Bill Ingalls/Nasa via The New York Times

As válvulas que foram destinadas à cápsula Orion para o Artemis III falharam nos testes. “Isso nos deu uma pausa para parar e analisar o circuito de forma mais detalhada”, disse Kshatriya.

Os componentes da válvula para o Artemis II passaram nos testes e foram instalados, mas “ficou muito claro para nós que era inaceitável aceitar aquele hardware, e precisamos substituí-lo para garantir a segurança da tripulação”, disse Kshatriya.

Ele disse que a Nasa também descobriu uma possível deficiência nas baterias da Orion caso a espaçonave precisasse se separar rapidamente do foguete em caso de emergência.

O atual programa lunar começou em dezembro de 2017, quando o presidente Donald Trump orientou a Nasa a enviar astronautas de volta à Lua, um lugar onde eles não pisam desde a missão Apollo 17, em dezembro de 1972.

Essa foi uma mudança em relação ao presidente Barack Obama, que queria que a Nasa se concentrasse em enviar astronautas para novos destinos, como um asteroide e, eventualmente, Marte.

Mesmo com a mudança de destino, as principais peças dos planos de voo espacial humano da Nasa — o foguete SLS e a cápsula Orion — já estavam em desenvolvimento há anos e permaneceram inalteradas.

Publicidade

Inicialmente, o ritmo do retorno lunar era lento, com os astronautas não programados para aterrissar até pelo menos 2028. Então, em 2019, o vice-presidente Mike Pence, que presidia o Conselho Espacial Nacional, anunciou uma aceleração repentina e disse que os astronautas americanos voltariam a caminhar na Lua até o final de 2024 “por qualquer meio necessário”.

Pence e outros críticos disseram que a Nasa não estava agindo com urgência, apontando que apenas oito anos se passaram entre o famoso anúncio do presidente John F. Kennedy, em 1961, de um plano para chegar à Lua e o pouso da Apollo 11.

As válvulas que foram destinadas à cápsula Orion para o Artemis III falharam nos testes Foto: Nasa via The New York Times

Pence também levantou o espectro da China, que acabara de colocar um módulo de pouso robótico no lado oposto da lua e pretendia pousar astronautas na lua até 2030.

O programa lunar recebeu um nome: Artemis, que na mitologia grega é a irmã gêmea de Apolo. Em 2021, a Nasa contratou a SpaceX, empresa de Elon Musk, para construir o módulo de pouso para Artemis III. A empresa está adaptando o foguete Starship gigante para poder levar dois astronautas da Nasa da órbita lunar até a superfície da Lua.

Atrasos

O Artemis I, um lançamento de teste do foguete SLS que enviou uma cápsula Orion sem tripulação em um voo de teste de semanas ao redor da Lua, estava programado para o final de 2020, mas não foi lançado até novembro de 2022.

O Artemis I foi amplamente bem-sucedido, e os funcionários da Nasa estavam esperançosos de que o Artemis II pudesse ser lançado dois anos depois.

Embora o orçamento da Nasa tenha recebido grandes aumentos nos últimos anos, ainda é uma fatia muito menor do orçamento federal do que no auge do programa Apollo na década de 1960. Em dezembro, o Government Accountability Office disse que a meta de dezembro de 2025 para o pouso na lua do Artemis III era improvável, apontando para cronogramas excessivamente otimistas para o desenvolvimento do módulo de pouso lunar Starship e dos trajes espaciais que os astronautas precisariam para caminhar na lua.

Publicidade

Dois lançamentos de teste da Starship no ano passado não conseguiram atingir a órbita, embora a SpaceX tenha dito que ambos forneceram dados para a realização de melhorias. O escritório de prestação de contas disse que se a Starship levasse o mesmo tempo que a média dos grandes projetos da Nasa, ela não estaria pronta até 2027.

O atraso dá mais tempo para que a SpaceX enfrente os desafios do desenvolvimento da Starship, incluindo um pouso lunar sem tripulação em escala real do veículo, agora programado para 2025.

James Free, administrador associado da Nasa, disse que o cronograma revisado do Artemis não era excessivamente otimista, embora tenha admitido que ainda poderiam ocorrer atrasos adicionais.

“Tentamos lidar com as incógnitas desconhecidas e estabelecer um plano realista”, disse Free.

Outras partes do programa lunar da NASA também não saíram como planejado.

Na segunda-feira, o Peregrine, um módulo de pouso lunar robótico comercial que transporta cinco experimentos da Nasa, foi enviado com sucesso em uma trajetória em direção à Lua após um lançamento, mas seu sistema de propulsão sofreu uma falha grave logo em seguida. Embora isso seja um revés para os estudos lunares da Nasa, é improvável que aumente os atrasos do Artemis.

Em sua última atualização na tarde de terça-feira, a Astrobotic Technology de Pittsburgh, que construiu a espaçonave, disse que ela poderia ficar sem propelente para seus propulsores de manobra em cerca de 40 horas.

Publicidade

“Devido ao vazamento de propelente, infelizmente não há chance de um pouso suave na Lua”, disse a empresa. Os engenheiros continuam a procurar maneiras de prolongar a vida útil da espaçonave e coletar dados que possam ajudar em missões futuras.

A Nasa já reservou experimentos adicionais em outras sondas comerciais, parte de um esforço para realizar pesquisas científicas na Lua a um custo menor. As autoridades da Nasa disseram que esperam que algumas dessas missões comerciais fracassem.

No entanto, a Nasa também pode estar hesitante em prosseguir com a segunda missão da Astrobotic, que levará um rover de US$ 433,5 milhões chamado VIPER para a região polar sul, onde exploraria gelo de água e outros recursos. Esse voo usaria um módulo de pouso maior chamado Griffin. O rover é, de longe, a carga útil mais complexa e cara que a Nasa planejou para as missões lunares comerciais. /Este artigo foi publicado originalmente no The New York Times.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.