PUBLICIDADE

Por que asteroides trazem novas pistas sobre a vida fora da Terra?

Nasa enviou espaçonave robótica, a OSIRIS-REx, em uma viagem de vários anos ao redor do Sol para buscar material de um asteroide antigo chamado Bennu. Cientistas agora se debruçam sobre a amostra

Por Joel Achenbach

Antes de a Terra ter biologia, ela tinha química. Como uma surgiu da outra - como um monte de moléculas chatas se transformou nessa coisa especial que chamamos de vida - é, sem dúvida, a maior incógnita da ciência. Esse também é um dos principais motivos pelos quais a Nasa enviou uma espaçonave robótica, a OSIRIS-REx, em uma viagem de vários anos ao redor do Sol para buscar material quebradiço de um asteroide antigo chamado Bennu e trazê-lo de volta à Terra.

PUBLICIDADE

Na segunda-feira, a comunidade científica obteve sua primeira descrição desse material precioso e exótico, revelada pelo principal cientista da missão, Dante Lauretta, na reunião de outono da União Geofísica Americana, em São Francisco.

Lauretta, cientista planetário da Universidade do Arizona, exibiu slides com uma longa lista de moléculas intrigantes, incluindo substâncias orgânicas à base de carbono, nos grãos e seixos recuperados de Bennu. Essas moléculas vão iluminar os blocos de construção moleculares do sistema solar e “talvez - ainda em fase inicial - talvez insights sobre a origem da vida”.

A Nasa optou por enviar uma sonda a Bennu em parte porque ele é potencialmente o asteroide mais perigoso do sistema solar Foto: NASA via AP

Essa análise está apenas começando. A equipe ainda não publicou um artigo científico formal. Em sua palestra, Lauretta citou uma pedra triangular interessante, de cor clara, que, segundo ele, continha algo que ele nunca tinha visto antes em um meteorito.

“É uma incógnita neste momento. Que material é esse?”, disse ele.

Em uma entrevista após a palestra, Lauretta disse que quase 5% da amostra é carbono. “Essa é uma amostra muito rica em carbono - a mais rica que temos em todo o nosso material extraterrestre... Ainda estamos desvendando a complexa química orgânica, mas ela parece promissora para ser realmente compreendida: Será que esses asteroides ricos em carbono forneceram moléculas fundamentais que podem ter contribuído para a origem da vida?”

Em 24 de setembro, a cápsula aterrissou quase perfeitamente no alvo em um campo de treinamento e bombardeio militar no oeste de Utah Foto: Keegan Barber/NASA

A análise laboratorial está buscando outras moléculas e compostos importantes para a vida na Terra, como aminoácidos, lipídios, açúcares e as bases do código genético, disse Lauretta, acrescentando que os resultados até agora são empolgantes. A equipe ainda está refinando seu relatório, que será discutido em uma reunião científica no início do próximo ano, disse ele.

Publicidade

A Nasa optou por enviar uma sonda a Bennu em parte porque ele é potencialmente o asteroide mais perigoso do sistema solar. Sua órbita ao redor do sol é semelhante à da Terra. A cada seis anos, a rocha, que tem cerca de três décimos de milha de diâmetro (grande o suficiente para chamar sua atenção, mas não o suficiente para causar um impacto em nível de extinção), cruza a trajetória orbital do nosso planeta.

Um cálculo publicado em 2021 estimou que Bennu tem uma chance de 1 em 2.700 de colidir com a Terra em setembro de 2182. Essa estimativa será refinada depois que o asteroide fizer uma passagem próxima em 2135.

Na hipótese remota de que os terráqueos queiram desviar a rocha de seu curso, eles certamente gostariam de saber exatamente o que estão atingindo. Um telescópio não fornece tantas informações quanto um visitante robótico. Daí o nome OSIRIS-REx (que significa Origins, Spectral Interpretation, Resource Identification and Security - Regolith Explorer).

Mesmo antes de os cientistas começarem a analisar as amostras, uma coisa já estava firmemente estabelecida: Bennu é muito, muito preto.

A Nasa lançou a espaçonave OSIRIS-REx em 2016, e ela chegou a Bennu em 2018. Em 2020, ela realizou uma série de manobras delicadas para tocar o asteroide com um dispositivo de amostragem na extremidade de um braço robótico Foto: NASA/Goddard Space Flight Center via AP

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

“É superpreto. É tão preto que é difícil tirar uma foto dele”, disse o cientista do projeto Jason Dworkin antes da reunião. O material inclui “todos os tipos de tons diferentes de preto” - além de misteriosos brilhos de amarelo, vermelho e rosa, acrescentou ele.

A Nasa lançou a espaçonave OSIRIS-REx em 2016, e ela chegou a Bennu em 2018. Em 2020, ela realizou uma série de manobras delicadas para tocar o asteroide com um dispositivo de amostragem na extremidade de um braço robótico. O braço mergulhou inesperadamente fundo no asteroide, que acabou se revelando o que os cientistas chamam de pilha de entulho, feita de material frouxamente agregado mantido junto pela gravidade.

A espaçonave então retornou às proximidades da Terra e liberou uma cápsula contendo a amostra. Em 24 de setembro, ela aterrissou quase perfeitamente no alvo em um campo de treinamento e bombardeio militar no oeste de Utah. A cápsula não mostrou nenhum sinal de estresse devido à sua longa viagem e, na verdade, ficou de pé no chão do deserto, a apenas alguns passos de uma estrada.

Publicidade

A cápsula cuidadosamente lacrada foi então transportada para o Johnson Space Center da Nasa, em Houston. Em seguida, veio o trabalho muito delicado de recuperar o material de Bennu. Dentro da cápsula havia um recipiente que, por sua vez, continha um dispositivo de amostragem. O recipiente foi aberto, mas o dispositivo de amostragem não cooperou. Ele foi selado por 35 fixadores especialmente projetados, dois dos quais não se moveram.

A Nasa está projetando uma nova ferramenta que deverá dar conta do recado nas próximas semanas. Enquanto isso, de acordo com uma publicação no blog da NASA, o dispositivo de amostragem foi transferido para outro contêiner e está “cercado por um saco de Teflon selado para garantir que a amostra seja mantida em segurança em um ambiente estável e rico em nitrogênio”.

Dentro da cápsula havia um recipiente que, por sua vez, continha um dispositivo de amostragem. O recipiente foi aberto, mas o dispositivo de amostragem não cooperou Foto: NASA/Keegan Barber/Handout via REUTERS

Mesmo assim, ninguém entrou em pânico: um membro da equipe percebeu que seria possível, usando pinças e conchas, recuperar parte do material preso no interior do dispositivo. Como resultado, a equipe obteve 70 gramas de amostra, excedendo a exigência oficial da missão de 60 gramas.

“Esse é o valor de uma carreira de material para milhares de pesquisadores em todo o mundo. Portanto, estamos extasiados”, disse Lauretta. “Espero que a comunidade cosmoquímica faça a festa com isso.”

“Estamos obtendo muitas informações de uma quantidade muito pequena de amostra”, disse o astrobiólogo da Nasa Danny Glavin antes da reunião.

Bennu é um fragmento de um objeto maior que se despedaçou durante uma colisão no início da história do sistema solar, acreditam os cientistas. O corpo-mãe, aquecido por decaimento radioativo, teria sido quente o suficiente para que a água do interior estivesse na forma líquida.

“Se você adicionar água, poderá fazer um monte de experimentos químicos interessantes”, disse Glavin.

Publicidade

Não é prejudicial dizer que a química se torna mais interessante quando, de alguma forma, produz um ser vivo. Os paleobiólogos sabem que a vida existia na Terra, na forma de bactérias, há pelo menos 3,5 bilhões de anos - relativamente pouco tempo depois de o planeta ter sobrevivido a um longo período de bombardeio violento de rochas que aglomeravam o sistema solar em sua juventude.

É improvável que o corpo parental de Bennu tivesse algo vivo, mas ele pode ter criado compostos interessantes semelhantes aos que formaram os blocos de construção da vida na Terra, que, como disse Dworkin, “teve que começar com a química que acontece no espaço”.

A química prebiótica, entretanto, está muito longe de uma bactéria - “tão longe quanto um frasco de vitaminas do jantar de Ação de Graças”, disse Dworkin.

No entanto, essa sujeira espacial tem importância astrobiológica. Ao observar a química pré-biótica em Bennu, os cientistas terão uma ideia melhor do que estão procurando se e quando encontrarem moléculas suspeitas em outros lugares do sistema solar, como em Marte, na lua Europa de Júpiter ou na lua Enceladus de Saturno.

“Esse é quase o controle laboratorial perfeito da química não biológica”, disse Glavin. “Isso nos prepara melhor para nossa busca por vida em Marte, Europa ou Enceladus - lugares que podem ter tido vida em algum momento.” /THE WASHINGTON POST

Este conteúdo foi produzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.