PUBLICIDADE

Sol tem três poderosas erupções em menos de 24 horas; veja

Emissões de classe X foram constatadas entre quarta e quinta-feira, com impacto sobre ondas de rádio na Terra. Entenda no que consiste o fenômeno

Foto do author Redação
Por Redação

Três poderosas erupções solares de classe X foram lançadas do Sol entre quarta e quinta-feira desta semana. As duas primeiras ocorreram com um intervalo de sete horas, registrando magnitudes de X1.9 e X1.6, respectivamente. A terceira, a mais poderosa do atual ciclo solar de 11 anos, atingiu uma impressionante marca de X6.3.

  • As erupções solares, ou explosões de radiação, são classificadas numa escala que vai de A, B e C até M e X, em ordem crescente de intensidade. Elas geralmente se originam de manchas solares, ou descolorações semelhantes a hematomas na superfície do sol.

PUBLICIDADE

As manchas solares são mais comuns perto do pico do ciclo solar de 11 anos. O ciclo atual, de número 25, é esperado para alcançar seu ápice este ano. Quanto mais manchas solares, mais oportunidades para erupções solares.

Erupções solares e as acompanhantes ejeções de massa coronal, ou EMCs, podem influenciar o “clima espacial” em todo o sistema solar, e até mesmo aqui na Terra. EMCs são ondas de choque mais lentas de energia magnética vindas do sol. As erupções podem alcançar a Terra em minutos, mas EMCs normalmente levam pelo menos um dia.

Todas as três erupções solares de classe X interromperam comunicações via rádio de ondas curtas na Terra. Mas as duas primeiras não liberaram uma EMC; ainda não se sabe se a terceira erupção o fez.

Três erupções, três apagões de rádio

Ondas de rádio de alta frequência se propagam ao refletir em elétrons na ionosfera da Terra. Esta é uma camada da atmosfera terrestre entre 80 e 965 quilômetros acima do solo.

Quando uma erupção solar ocorre, essa radiação viaja em direção à Terra à velocidade da luz. Ela pode ionizar partículas adicionais na ionosfera inferior. Ondas de rádio enviadas de dispositivos abaixo dela então interagem com essa camada extra-ionizada e perdem energia, e não conseguem ser curvadas pelos íons na parte superior da ionosfera. Isso significa que os sinais não conseguem viajar muito longe, e apagões de rádio são possíveis.

Publicidade

Todas as três erupções solares de classe X interromperam comunicações via rádio de ondas curtas na Terra Foto: Noaa

Três apagões consecutivos de rádio ocorreram em resposta ao trio de erupções, mas principalmente sobre os oceanos Pacífico e Índico. Eles foram classificados como “R3″ ou maior numa escala de 1 a 5.

De acordo com o Centro de Previsão de Clima Espacial da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, isso resulta em um “apagão de ampla área da comunicação via rádio (de alta frequência), (e) perda de contato via rádio por cerca de uma hora no lado iluminado pelo Sol da Terra”. Sinais de navegação de baixa frequência, como os usados em aeronaves em viagens internacionais, também podem ser degradados.

Disrupções no serviço celular?

Houve especulações intensas de que o apagão abrangente da AT&T na manhã de quinta-feira estava relacionado às erupções solares de quarta-feira. No entanto, o Centro de Previsão de Clima Espacial divulgou um comunicado observando que “é improvável que essas erupções tenham contribuído para a ampla interrupção da rede celular relatada”.

Joe Kunches, ex-chefe de operações do centro, disse ao The Washington Post que “não há chances” de qualquer conexão.

PUBLICIDADE

“Primeiro, ocorreu durante as horas da noite na América do Norte, então qualquer impacto possível não teria ocorrido aqui. Erupções e suas rápidas interrupções rádio só impactam sistemas do lado diurno, se tanto,” disse Kunches em um e-mail. “E, mesmo que isto ocorresse durante suas horas de luz do dia, as chances são quase nulas de que o serviço de celular seria afetado.”

  • Erupções solares geralmente não afetam as frequências de celular. Apagões de rádio associados com erupções solares afetam transmissões na banda de alta frequência de 3 a 30 megahertz. A maioria das operadoras de celular opera entre 698 e 806 megahertz.

Finalmente, as erupções de quarta-feira não desencadearam EMCs. Tais explosões podem induzir correntes elétricas que podem sobrecarregar circuitos em satélites e até mesmo tirá-los do ar ou destruí-los. Em fevereiro de 2022, 40 satélites da SpaceX foram derrubados por uma EMC. Mesmo que houvesse uma EMC, provavelmente teria levado mais de um dia para atingir a Terra.

Potenciais efeitos na Terra

Como as duas primeiras erupções de quarta-feira não liberaram EMCs, significa que observadores do céu não terão a oportunidade de presenciar exibições de auroras boreais, como é frequentemente o caso quando tais tempestades geomagnéticas atingem a Terra.

A terceira erupção solar, que foi a maior e ocorreu na noite de quinta-feira pelo horário da costa leste dos EUA, pode ter lançado uma EMC, mas os observadores ainda não sabem. Eles estão aguardando dados de coronógrafos. Como EMCs são mais lentas do que erupções solares, geralmente leva várias horas para elas irradiarem completamente para fora do disco solar e se tornarem visíveis nos sensores.

Ainda assim, há mais oportunidades para erupções solares de classe X e EMCs nos próximos dias. O aglomerado de manchas solares que lançou as três, chamado de “Região Ativa 3590″, ainda está ativo.

A mancha solar é tão grande que você pode vê-la com seus próprios olhos - mas você precisará de óculos de eclipse para fazer isso com segurança./ THE WASHINGTON POST

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.