PUBLICIDADE

Vulcão gigante é descoberto em Marte por pesquisadores

Região foi repetidamente fotografada por missões de exploração, mas vulcão de 9 mil metros de altura nunca havia sido identificado

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Embora tenha sido fotografado durante anos pelas diversas sondas que orbitaram Marte, sua forma está tão desgastada que, até agora, ninguém havia notado a existência de um vulcão gigante perto do equador do planeta. Além disso, na parte sudeste do vulcão, há um fino depósito vulcânico recente sob o qual é provável que ainda haja gelo glacial. A combinação desses dois fatores faz com que esse seja um bom novo local para estudar a evolução geológica de Marte ao longo do tempo e até mesmo procurar vestígios de possível vida.

Esses resultados foram apresentados na 55ª Conferência de Ciência Lunar e Planetária no Texas, EUA, pelo cientista planetário do Instituto SETI dos EUA, Pascal Lee. O vulcão, provisoriamente chamado de “Noctis”, tem mais de 9 mil metros de altura e 450 quilômetros de diâmetro, e está ativo desde tempos antigos e recentes.

O vulcão fica ao sul do equador do planeta, a oeste de Valles Marineris, o vasto sistema de cânions do planeta Foto: SETI

PUBLICIDADE

O local foi repetidamente fotografado por naves espaciais que orbitam Marte desde a Mariner 9, em 1971, mas por estar “profundamente erodido, ficou escondido da vista por décadas”, disse o SETI em um comunicado.

O vulcão fica ao sul do equador do planeta, a oeste de Valles Marineris, o vasto sistema de cânions do planeta, e está localizado na borda leste de uma ampla elevação topográfica regional chamada Tharsis.

Na mesma região, há três outros vulcões gigantes bem conhecidos: Ascraeus Mons, Pavonis Mons e Arsia Mons, que superam o vulcão recém-descoberto em altura, mas rivalizam com ele em extensão.

Lee explicou que ele e sua equipe estavam examinando a geologia de uma área onde encontraram os restos de uma geleira no ano passado quando perceberam que estavam “dentro de um vulcão enorme e profundamente erodido”.

Perto do centro da estrutura, é possível ver um remanescente de caldeira e os de uma cratera vulcânica desmoronada que antes abrigava um lago de lava. Fluxos de lava, depósitos piroclásticos (que consistem em partículas vulcânicas como cinzas, cinzas, pedra-pomes e tefra) e depósitos de minerais hidratados podem ser vistos em várias áreas ao redor do perímetro da estrutura.

Publicidade

Os cientistas já sabem que essa área de Marte tem uma grande variedade de minerais hidratados que abrangem um longo período da história marciana.

“Há muito se suspeita que esses minerais sejam de origem vulcânica. Portanto, talvez não seja tão surpreendente encontrar um vulcão aqui”, acrescentou Sourabh Shubham, da Universidade de Maryland e coautor do estudo, para quem, de certa forma, esse grande vulcão é a pista “há muito procurada”. /EFE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.