Ai Weiwei acusa galerias de cancelarem suas exposições após críticas à guerra entre Israel e Hamas

Em uma postagem já apagada do X, artista criticava governo israelense e a relação com os Estados Unidos. A Lisson Gallery, em Londres, havia escrito que a fala poderia ser entendida como ‘antissemita’ ou ‘islamofóbica’

PUBLICIDADE

Por Redação
Atualização:
2 min de leitura

O artista chinês Ai Weiwei acusa galerias ao redor do mundo de cancelarem suas exposições após uma postagem em que criticava a guerra entre Israel e Hamas no X, antigo Twitter. A Lisson Gallery, em Londres, havia respondido à própria publicação do pintor dizendo que a fala poderia ser entendida como “antissemita” ou “islamofóbica”. Leia mais abaixo.

Conforme a BBC, outras três exposições do artista em Nova York, Paris e Berlim foram canceladas. O site Hyperallergic, com quem o Weiwei conversou na última quarta, 15, porém, confirmou que a mostra do pintor na Alemanha continua mantida.

Ai Weiwei diz ter tido mostras canceladas após publicar críticas à guerra entre Israel e Hamas. Foto: Lisa Leutner / REUTERS

A exposição em Londres estava marcada também para quarta. Ao Hyperallergic, o artista disse ter sido comunicado sobre o cancelamento dias antes e falou sobre “violência branda destinada a sufocar vozes” de artistas que abordam o conflito entre Israel e Palestina.

O site tentou contato com a Lisson Gallery, que não comentou as declarações do artista. Em resposta à postagem feita por Weiwei no X, porém, a galeria escreveu que “não há lugar para um debate que possa ser caracterizado como antissemita ou islamofóbico num momento em que todos os esforços deveriam ser para acabar com o sofrimento trágico nos territórios israelitas e palestinos, bem como nas comunidades internacionais”.

“Ai Weiwei é conhecido pelo seu apoio à liberdade de expressão e por defender os oprimidos, e respeitamos e valorizamos profundamente a nossa relação de longa data com ele”, continuou a Lisson Gallery na publicação.

No tuíte, já excluído da rede social, o pintor fez críticas ao governo israelense e a relação entre Israel e Estados Unidos. “O sentimento de culpa em torno da perseguição ao povo judeu foi, às vezes, transferido para compensar o mundo árabe. Financeiramente, culturalmente e em termos de influência midiática, a comunidade judaica tem tido uma presença significativa nos Estados Unidos”, escreveu na ocasião.

Continua após a publicidade

“O pacote anual de ajuda de US$ 3 milhões a Israel tem sido, durante décadas, considerado um dos investimentos mais valiosos que os Estados Unidos alguma vez fizeram. Esta parceria é frequentemente descrita como um ‘destino partilhado’”, continuou.

Weiwei passou a infância em um campo de trabalhos forçados na China ao lado do pai, o poeta Ai Qing. O pintor passou a se posicionar criticamente contra o Partido Comunista do país, foi perseguido e teve de se exilar nos EUA. Em 2011, ele passou 81 dias sob custódia do governo chinês.