PUBLICIDADE

Inteligência Artificial esclarece mistério sobre obra de Rafael; entenda

Artista não pintou figura que retrata São José, segundo estudo

Por ANSA
Atualização:

ANSA - O mistério em torno de uma obra-prima do pintor renascentista italiano Rafael Sanzio (1483-1520) exposta no museu do Prado, em Madri, pode ter sido resolvido por um programa de inteligência artificial desenvolvido pela Universidade de Bradford.

PUBLICIDADE

Um algoritmo criado por um grupo de pesquisadores estabeleceu que a figura de São José que fica à esquerda na pintura Madonna della Rosa (A Virgem da Rosa, em português) não foi pintada pelo artista italiano, como alguns especialistas suspeitavam desde meados do século 18.

A obra, criada por volta de 1518-20 e que retrata Maria, José e Jesus com João Baptista, foi testada por uma ferramenta de IA que concluiu que a maior parte da pintura é de Rafael, mas o rosto de José foi pintado por uma pessoa diferente. Já a parte inferior é “muito provavelmente” do artista.

Inteligência artificial pode ter solucionado mistério de obra de Rafael. Foto: museodelprado.es/Reprodução

Segundo o matemático e cientista da computação Hassan Ugail, da Universidade de Bradford, no Reino Unido, para tenta esclarecer o mistério, os pesquisadores treinaram o algoritmo com todas as obras que foram atribuídas “com certeza” ao artista italiano.

“Através de uma análise profunda, usamos imagens de pinturas autenticadas de Rafael para treinar o algoritmo a reconhecer o seu estilo num grau muito detalhado, desde pinceladas, paleta de cores, sombras e todos os aspetos da obra”, explicou ele.

Os especialistas debatem há muito tempo a atribuição da obra: alguns acreditam que ela pode, de fato, ser atribuída, pelo menos em parte, a artistas da oficina de Rafael, como Giulio Romano.

De acordo com o cientista, “o computador vê muito mais profundamente do que o olho humano, ao nível microscópico, e consegue reconhecer obras autênticas do artista com 98% de precisão”.

Publicidade

“Quando testamos a pintura como um todo, os resultados foram inconclusivos, por isso analisamos as diferentes partes separadamente: enquanto a IA confirma que o resto da pintura (a Virgem, o Menino e São João Baptista) pode ser atribuído para Rafael, o rosto de São José é provavelmente fruto de outra mão”, concluiu Ugail.

Para os autores do estudo, publicado na revista Heritage Science, a IA poderá ajudar os historiadores em arte no futuro, sem substituí-los, no complicado processo de autenticação de uma obra, que obriga a considerar muitos aspectos ao mesmo tempo, como a origem, os pigmentos utilizados ou as condições em que se encontra.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.