PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Uma geléia geral a partir do cinema

Sam Mendes e o nascimento de um novo clássico de guerra, 1917

PUBLICIDADE

Jessica Quinalha, da Universal, não me definiu embargo, mas de qualquer maneira fiz uma pesquisa para ver se havia críticas de 1917. Encontrei várias , que não li, mas sinalizaram que, se embargo houve, terminou ontem - todas as críticas eram de 12 horas atrás. Assisti ao filme de Sam Mendes numa cabine reservada, sem legendas, e na sequência entrevistei o duo de protagonistas, George McKay e Dean-Charles Chapman. Não tenho a menor vergonha de dizer que a experiência emocional foi intensa e até chorei. Mendes já havia filmado a guerra - em Soldado Anônimo -, usando a guerra de George Bush, o pai, para falar da guerra do filho, George W., no Iraque. O próprio tema do filme era a relação familiar, entre pais e filhos, como em Beleza Americana e Estrada da Perdição. Depois, Sam Mendes fez Foi Apenas Um Sonho, que era, para mim, seu melhor filme - até o atual. Arrebentou com os James Bonds, mas com 1917 ele realiza algo muito especial. Um novo clássico de guerra, a 1.ª. Dois soldados têm de atravessar a batalha - como Fabricio Del Dongo em A Cartuxa de Parma - paras entregar uma carta, abortando um combate decisivo. Um deles lança-se à missão porque sabe que estará salvando a vida do irmão, lá do outro lado. O outro o acompanha. Atravessam o inferno, conversam, enfrentam o perigo. E tudo filmado num único plano sequência. One long shot, duas horas. Não o interior de um museu, como no Alexander Sokurov, Arca Russa. Guerra! trincheiras, pântanos, florestas, campos floridos, balés de aviões e explosões. Como eles conseguem? Seja como for, conseguem. Numa cena, lá pelo meio, Schoffield/McKay recebe um tiro e a tela escurece, o que indica que há um primeiro one shot até ali e depois o filme recomeça, para terminar exatamente igual - à sombra de uma árvore, e mais não digo. Dois planos longos, sequenciais. Não exatamente pais e filhos, mas, dessa vez, filhos e mães. Stanley Kubrick queria fazer a obra-prima definitiva de todos os gêneros em que trabalhou. Fez uma obra-prima de guerra, também sobre a 1.ª, Glória Feita de Sangue, em 1957, ou 58. Mais de 60 anos depois, Sam Mendes fez outra obra-prima. Estou chapado - é filme de Oscar, com certeza. Dean-Charles quase morreu de rir ao telefone. Disse-lhe que devia ser o único, no planeta Terra, a não ter visto um capítulo sequer de Game of Thrones, mas que mesmo assim ia lhe fazer perguntas sobre a série mítica. Foram entrevistas muito interessantes, dois carinhas - jovens - ótimos. Amanhã, espero que dê certo, falo com o próprio Sam. 1917! Não fazia a menor ideias do filme que ia ver. Não sabia nem o título. Adoro quando a caixinha de surpresas do cinema abre-se para me maravilhar. E o mais curioso é que Adriana Del Ré, minha editora, me pediu um texto para fechar a página de TV. O que poderia ser? Olhei a programação e havia o Outubro, de Sergei M. Eisenstein, na TV paga, no Telecine Cult, e usei o filme como gancho para falar de um livro de João Lanari Bo que já está nas livrarias - Cinema para Russos, Cinema para Soviéticos. Um estudo crítico sobre poder e ideologia, personalismo e propaganda, mapeando o cinema russo desde os vanguardistas como Eisenstein e Dziga-Vertov, no período de ouro, até autores contemporâneos como Andrei Tarkovski, passando pelo realismo socialista que marcou a longuíssima era de Josef Stálin. De novo, 1917. A Revolução Russa, a tomada do Palácio de Inverno, a exclusão do papel de Trotski/Leon Davidovich Bronstein no movimento que culminou com a tomada do poder pelos trabalhadores. Foi uma tarde bem movimentada, a minha, ontem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.