Publicidade

Citadini critica antiética são-paulina

Por Agencia Estado
Atualização:

Corinthians e São Paulo disputaram, nesta quinta-feira, um clássico, só que fora do campo. Antonio Roque Citadini, vice-presidente de Futebol corintiano, fez duras críticas à diretoria rival, a qual chamou de antiética por ter tentado tirar Ricardinho do Parque São Jorge. Segundo Citadini, o São Paulo pecou pelo modo como encaminhou as negociações, procurando primeiro o jogador e somente depois o clube. "Acho estranha essa ética que o São Paulo diz ter. Faz a proposta pelo jogador e só depois procura o clube. É um conceito de ética que ainda não encontrei", declarou o corintiano à Agência Estado, por telefone, de Los Angeles, onde passa a semana. "Eles fizeram a proposta só para que o Ricardinho brigasse conosco, mas vai ter troco no futuro." Citadini ficou mais irritado por ter recebido informações de que o São Paulo ainda mantém contato com o procurador do atleta, Rubens Pozzi. O clube do Morumbi teria oferecido salário de R$ 180 mil mensais, além de R$ 2 milhões de luvas, valores superiores aos pagos pelo Corinthians. "Se o São Paulo quisesse fazer uma proposta para nós, que fizesse e pronto, tudo teria acabado." O clube espera definir nesta sexta-feira o futuro de Ricardinho. O gerente de Futebol Edvar Simões garantiu que está tratando do assunto com agentes internacionais. O técnico Carlos Alberto Parreira mostrou irritação com a demora para o fim da novela e cobra uma posição da diretoria. "A falta dele aqui, atrapalha na preparação." Guilherme mais longe - O Corinthians não gostou do valor pedido pelo atleta para jogar no clube, considerou elevado, e pode encerrar as negociações. "O Guilherme fez proposta fora dos padrões do Brasil", disse Citadini. "Precisamos de um centroavante, mas só trataremos com propostas realistas."

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.