PUBLICIDADE

Publicidade

Gallo quer Santos brigando pelo título

PUBLICIDADE

Por Agencia Estado
Atualização:

Fortalecido pela vitória sobre o Palmeiras na quarta-feira e pelas contratações de Luizão e Cláudio Pitbull o técnico Gallo respirou mais aliviado esta semana. Não quer, porém, que seu time relaxe no jogo deste domingo contra o Fluminense, adversário direto na luta pelo título brasileiro. Ele vai poder contar com seu time principal, com exceção de Giovanni, e conta com a vitória nessa fase em que o campeonato começa a se definir. A contratação de Luizão e Pitbull dominaram o noticiário da semana na Vila Belmiro e os jogadores começarão a treinar nesta segunda ou depois com o novo grupo. Com isso, Gallo vai escalar mais uma vez a dupla Frontini e Geílson no ataque, na esperança de que os gols surjam e que não sejam afetados pela perda da condição de titular. "Esperamos que eles tenham a mesma postura do jogo anterior, que foi a de um time vencedor, que briga pela competição e acredito que a chegada dos reforços não mexa com o emocional deles", disse Gallo. Segundo o treinador, jogadores de alto nível que jogam num time de ponta como o Santos têm de estar acostumados a ter concorrência. Gallo está exigindo de todos o mesmo comportamento tido no clássico, pois é a cara que pretende impor à equipe. Já chamou a atenção do grupo para a necessidade de superar o Fluminense, no quarto confronto entre as duas equipes este ano, um pelo Brasileiro e dois pela Sul-Americana. Cada time ganhou um jogo e no do campeonato nacional houve empate. A maior preocupação do Santos é com Petkovic, mas ele não sofrerá uma marcação individual. "Vai merecer uma atenção especial, sem dúvida, porque é um grande jogador", disse o treinador, ressaltando que todo o time do Fluminense é muito forte. O capitão Ricardinho concorda com Gallo e lembra que no Brasileiro não tem jogo fácil. "O Santos perdeu pontos para times que estão na zona de rebaixamento e ganhou quase todos os jogos contra os times que estão na disputa do título", disse. Para ele, "as dificuldades acontecem de todo lado e a ordem é somar o maior números de pontos, independente de quem é o adversário". O meia acha que é cedo ainda para a definição do favorito, mas entende que, pelos confrontos diretos nas próximas rodadas, duas ou três equipes irão se distanciar das outras. "Os cinco times que estão embolados não vão andar sempre juntos e é melhor esperar mais algumas rodadas para que as coisas se definam melhor".

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.