PUBLICIDADE

Publicidade

John Kennedy já deu duas versões sobre origem de comemoração com ‘garras de urso’; entenda

Atacante do Fluminense citou empresários e ‘fome de gol’ como origem da celebração, que utilizou na partida contra o Al Ahly, pelo Mundial de Clubes

PUBLICIDADE

Foto do author Murillo César Alves
Atualização:

Ídolo do Fluminense aos 21 anos – como o próprio clube destaca nas redes sociais –, John Kennedy marcou o segundo gol do time na vitória sobre o Al Ahly por 2 a 0, nas semifinais do Mundial de Clubes nesta segunda-feira, dia 18. O atacante já havia sido o herói do título da Libertadores em novembro, contra o Fluminense, além de marcar em todas as fases da competição, da etapa de grupos à decisão. Nas comemorações, um gesto do jogador ganhou as redes e os torcedores mirins: após cada gol, ele corre em direção à torcida com ‘garras de urso’.

Desde que foi lançado ao futebol profissional – o jogador foi revelado pela base do Fluminense, em Xerém –, Kennedy comemora dessa forma. A ação gerou uma idolatria das crianças, que o imitam nas brincadeiras e nas arquibancadas do Maracanã, e é utilizada pelo Fluminense em ações de marketing. Nesta semana, a Braziline, licenciada oficial do clube do Rio, lançou camisa com o autógrafo do craque. A “Tropa do Urso”, como é chamada carinhosamente pelos torcedores.

Comemoração de John Kennedy ganhou fama entre as crianças. Foto: Manu Fernandez/ AP

No entanto, sobre a origem da comemoração, o próprio John Kennedy já deu versões diferentes quando questionado: em 2021, após estrear pela primeira vez como titular em um clássico com o Flamengo e marcar dois gols, ele afirmou que a comemoração surgiu nas categorias de base do Fluminense, em Xerém. “Falavam muito de ‘fome de gol, fome de gol’ na base. O urso é um animal grande, que tem muita fome, então peguei um pouco disso”, afirmou, em entrevista à FluTV, após vitória por 3 a 1. (Veja o vídeo abaixo)

PUBLICIDADE

Dois anos depois, em 2023, ‘mudou’ ligeiramente de versão. Dessa vez, afirmou que a origem das garras partiu de seu empresário. A ideia era criar uma comemoração imponente, que o evidenciasse como atleta e o diferenciasse dos demais. “Eu nunca imaginei que ia pegar tanto. A comemoração nem foi invenção minha, nem pensei que seria imitada. Meu empresário disse que tinha de ter uma comemoração que ia pegar com o povo, não tinha ideia (de qual fazer) e me inspirei na do Cristiano Ronaldo. Parece um urso e pegou. Não tenho palavras para dizer como é ver uma criança imitando”, afirmou ao GE.

Desde 2021, é agenciado por Giuliano Bertolucci, fundador da Bertolucci Sports. A comemoração de CR7, citada por Cristiano Ronaldo na comemoração, aconteceu no início da passagem do atacante pelo Real Madrid. Na temporada 2011/2012, na semifinal da Champions League, o camisa 7 marcou dois gols na vitória por 2 a 1. No segundo, comemorou da forma que Kennedy usa como inspiração em seus jogos pelo Fluminense. O Real Madrid foi eliminado nos pênaltis, com Cristiano desperdiçando uma das cobranças.

Comemoração criada por CR7 foi utilizada em outras partidas do Campeonato Espanhol e recriada no Fifa. Foto: Sergio Perez/ Reuters

A partida contra o Bayern de Munique não foi a primeira vez que Cristiano Ronaldo comemorou desta maneira, mas por se tratar de uma semifinal de Champions League é uma das mais emblemáticas. Ele repetiu a celebração em partidas pelo Campeonato Espanhol e por Portugal. Ela surgiu no período em que foi companheiro de equipe de Kaká e antes de seu tradicional “Siii!”, que adota até hoje como uma de suas marcas. Ambas as comemorações foram recriadas no “FIFA”, franquia de videogames de futebol da EA Sports.

Diferentemente das versões de John Kennedy, Cristiano Ronaldo confirmou em seu perfil do X – antigamente chamado de Twitter – que é uma homenagem ao seu filho Cristiano Jr., que tenta seguir os passos do pai no futebol.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.