Publicidade

Repórter acusa mascote do Inter de importunação sexual; funcionário é afastado da função de ‘Saci’

Clube afirma que vai contribuir para investigações; Grêmio, adversário no jogo em que o caso aconteceu, colocou corpo jurídico à disposição da jornalista

PUBLICIDADE

Foto do author Leonardo Catto
Por Leonardo Catto
Atualização:

Uma repórter que cobria a vitória do Internacional por 3 a 2 diante do Grêmio, pelo Campeonato Gaúcho, no último domingo, dia 25, no Beira-Rio, relatou ter sofrido importunação sexual por parte do mascote do time da casa. A jornalista Gisele Kümpel, que atua no Canal Monumental, identificado com torcedores gremistas, registrou um boletim de ocorrência. O Internacional, em nota, indicou que irá contribuir para as investigações. O Grêmio colocou-se à disposição para apoio jurídico.

PUBLICIDADE

Segundo Gisele, o mascote colorado a abraçou e tentou beijá-la, logo depois do terceiro gol do Inter, marcado no fim do segundo tempo. A repórter contou que o mascote levantou levemente a máscara e se aproximou do seu rosto. Ela detalhou que teve a cabeça empurrada, ouviu o estalo do beijo e sentiu o suor de quem estava na fantasia do mascote.

Logo após a partida, Gisele deixou de cobrir a coletiva do técnico Renato Portaluppi e foi para o posto da Polícia Civil no estádio. Lá, a repórter registrou boletim de ocorrência por importunação sexual. Ela contou que, durante todo o segundo tempo, o mascote ficou próximo dela, atrás de um dos gols, além de tentar ler o que estava no seu celular. A repórter publicou o relato no X (antigo Twitter) e passou a receber respostas de apoio e também questionando se a situação era verdadeira e ofensivas. “Prefiro focar no apoio que recebi. O hate vem de quem não me interessa, não me conhece. Tive um apoio muito bacana”, disse ao Estadão.

O boletim de ocorrência foi encaminhado para a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher de Porto Alegre. A Polícia Civil solicitou as imagens registradas pelas câmeras do estádio. Também foram pedidos detalhes sobre o funcionário que atuava fantasiado como mascote no jogo. O Grêmio disse que Gisele pode contar com “apoio institucional” do clube e se colocou à disposição com apoio jurídico se for necessário.

Em nota, ainda no domingo, o Internacional afirmou que vai disponibilizar as imagens do circuito interno de monitoramento, como costuma ser feito em casos como esse. O clube também apontou que vai acompanhar conforme novas atualizações surgirem e apurar quais medidas são necessárias. O nome do mascote não foi revelado.

Em novo comunicado, nesta segunda-feira, o Internacional disse que as imagens já foram enviadas para a Polícia Civil. “Confiamos que todos os fatos serão devidamente esclarecidos junto à autoridade policial. Por essa razão, e esperando a célere resolução do caso, o funcionário responsável pelo mascote e o próprio clube estarão à disposição das autoridades. Até a conclusão do procedimento, o funcionário ficará afastado da representação do Saci”, diz trecho do texto.

A Associação dos Cronistas Esportivos Gaúchos (Aceg) fez um post de repúdio à situação. A entidade comentou que está disposta a auxiliar a repórter com o que for necessário e disse aguardar a resolução da investigação policial.

Publicidade

GreNal também tem violência entre torcida

A nota também faz referência ao acompanhamento de outra situação. Cadeiras foram quebradas na parte da torcida gremistas e atiradas em direção aos colorados, que estavam em um anel inferior, abaixo dos visitantes. Dois torcedores do Inter, um homem de 40 anos e uma mulher de 47, foram atingidos e sofreram traumatismos cranianos. Ambos foram levados ao hospital e estão estáveis. Um dos planos do Inter para evitar situações futuras como essa é a instalação de uma rede em frente ao setor visitante do Beira-Rio, semelhante a existente no Allianz Parque, do Palmeiras.

Nota do Internacional sobre o caso

Sobre o registro de ocorrência envolvendo a figura do mascote Saci, o Sport Club Internacional informa que encaminhou as imagens de seu circuito interno de monitoramento para a Delegacia responsável pela apuração do episódio.

Confiamos que todos os fatos serão devidamente esclarecidos junto à autoridade policial. Por essa razão, e esperando a célere resolução do caso, o funcionário responsável pelo mascote e o próprio Clube estarão à disposição das autoridades. Até a conclusão do procedimento, o funcionário ficará afastado da representação do Saci.

Por fim, o Sport Club Internacional manifesta seu respeito ao trabalho de toda a imprensa e repudia todo e qualquer caso em que haja importunação ou manifestação de cunho preconceituoso.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.