Goleada histórica e vexame Tricolor

O Corinthians não teve dó do São Paulo. O Timão se aproveitou de um adversário que estava bastante desfalcado e recheado de garotos para impor um impiedoso 5 a 0 no Estádio do Pacaembu.

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O Corinthians não teve dó do São Paulo. O Timão se aproveitou de um adversário que estava bastante desfalcado e recheado de garotos para impor um impiedoso 5 a 0 ontem à tarde no Estádio do Pacaembu.

PUBLICIDADE

E olha que foi pouco. Depois que Carlinhos Paraíba foi expulso no final do primeiro tempo, só o Timão esteve em campo. Foi um verdadeiro massacre, que há muito tempo não se via no Majestoso. A última vez havia sido para o Tricolor, um 5 a 1 no mesmo Pacaembu.

Equilíbrio no primeiro tempo O São Paulo entrou em campo remendado. Além de Lucas, na Seleção, e Rodrigo Souto e Juan, suspensos, Carpegiani perdeu Rhodolfo, que não passou no teste que fez na concentração antes de subir no ônibus, e Casemiro, com amidalite. Bruno Uvini e Rodrigo Caio foram os escolhidos para entrar. Do outro lado, Tite não teve surpresas de última hora. O Corinthians era aquele trabalhado na semana.

Jorge Henrique jogava bem aberto pelo lado esquerdo, impedindo os avanços de Jean. Willian, na direita, procurava explorar qualquer vacilo de Luiz Eduardo, zagueiro improvisado na lateral. Liedson se posicionava entre Xandão e Bruno Uvini, tudo para dificultar o trabalho dos zagueiros.

Tite colocou ainda Danilo para se movimentar no espaço que era vigiado pelo garoto Rodrigo Caio. Era uma maneira de tentar intimidar o volante de apenas 17 anos, que, ao tentar encontrar um melhor posicionamento, abria espaço na defesa.

Publicidade

O Tricolor era empurrado para o seu campo pelo Timão. A única jogada da equipe de Carpegiani era o contra-ataque. Quando conseguia roubar uma bola, o time partia em velocidade, trocando passes até chegar ao gol de Júlio César, o que aconteceu duas vezes com Dagoberto perdendo duas chances.

O Corinthians ficava de posse da bola por mais tempo. A equipe de Tite buscava encontrar espaço na muralha montada pelo São Paulo na frente da área. Os são-paulinos não eram infalíveis, erravam algumas vezes, mas os corintianos ou não acertavam o alvo ou Rogério Ceni estava lá para impedir.

O 0 a 0 levado para os vestiários só não teve peso igual para os dois porque o São Paulo ficou com um jogador a menos aos 40 minutos. Carlinhos Paraíba, que havia acabado de receber o cartão amarelo em uma discussão com Paulinho, fez falta no mesmo Paulinho e foi expulso.

Massacre Em vantagem numérica, o Corinthians levou exatos 45 segundos para fazer o que não havia feito nos primeiros 45 minutos. O gol nasceu de um vacilo de Bruno Uvini e Luiz Eduardo. Danilo aproveitou, driblou Bruno Uvini com facilidade e, percebendo que Rogério Ceni havia caído, bateu no outro canto.

O Corinthians viu uma chance de atropelar o rival. Tite não quis saber se o adversário estava desfalcado de jogadores importantes, se Carlinhos Paraíba havia sido expulso... Ele mandou sua equipe para cima do pobre e indefeso São Paulo.

Publicidade

Era o jogo de uma equipe só. O Timão atacando. O Tricolor acuado. Desesperado lá atrás, Rogério Ceni orientava o time. O goleiro parecia pressentir o pior. E o pior aconteceu.

Aos 8 minutos, Liedson apareceu livre diante do goleiro, que já havia impedido o gol em uma cabeçada de Paulinho, para marcar o segundo. Sete minutos depois, Liedson novamente entrou na área e fuzilou Rogério Ceni para colocar 3 a 0 no placar.

Liedson fez ainda o quatro aos 34 minutos em uma jogada de Danilo. E Jorge Henrique, aos 37, em uma falha bizarra de Rogério Ceni, fechou o caixão do São Paulo no Pacaembu.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.