PUBLICIDADE

'Estado' brinda internautas com acervo na internet

Um dos maiores arquivos jornalísticos do País, com 2,4 milhões de páginas publicadas desde 1875, ganha versão digital

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O Estado lançou ontem na internet a coleção completa de 137 anos do jornal, com 2,4 milhões de páginas. Ao investir na digitalização do seu acervo integral, o objetivo do Estado é colocar à disposição da sociedade um patrimônio cultural que poucos jornais no mundo podem oferecer.No verdadeiro mar de informações formado por cerca de 50 bilhões de caracteres - suficientes para encher 2 mil DVDs -, o leitor poderá fazer pesquisas por data ou por palavras. Um exemplo são as páginas do escritor Euclides da Cunha, enviado pelo diretor do jornal, Julio Mesquita, para cobrir a revolta de Canudos. A série de reportagens deu origem, em 1902, ao livro Os Sertões.Um dicionário de grafia antiga embutido permite que o internauta localize matérias com a palavra farmácia, por exemplo, incluindo os textos do tempo em que se grafava 'pharmacia'. No campo da economia e da tecnologia, a evolução do telefone pode ser pesquisada desde o dia em que o representante do inventor Graham Bell publicou um anúncio, em 1878, oferecendo "tympanos elétricos" e "telephonos". Como não podia deixar o telefone de contato, divulgava o endereço onde estava, na Rua São Bento, na casa do pintor Jules Martin, que fez o primeiro projeto do Viaduto do Chá.Censura. A digitalização dá destaque à censura sofrida pelo Estado em vários períodos, especialmente após a edição do Ato Institucional n.º 5 (AI-5), em dezembro de 1968, quando o presidente Costa e Silva decretou o fechamento do Congresso. No portal digital será possível pesquisar as páginas censuradas e comparar como foram planejadas e como saíram publicadas. Para comemorar o lançamento, o Estado produziu um caderno especial, que circula na edição de hoje, com textos e fotos sobre a importância do acervo do jornal, que noticiou duas guerras mundiais, a mudança do Império para a República no Brasil e nove reformas monetárias.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.