Após 20 anos da invasão pelos EUA, Iraque é um lugar mais livre, mas menos esperançoso

Conversas com dezenas de iraquianos oferecem um retrato de uma nação rica em petróleo, prejudicada pela corrupção e incapaz de garantir a segurança de seus cidadãos

PUBLICIDADE

Por Alissa J. Rubin
Atualização:

A algumas ruas de distância dos novos prédios e da barulhenta estrada principal da cidade deserta de Faluja, havia um estádio esportivo. As traves do gol há muito se foram, as arquibancadas apodreceram anos atrás. Agora, cada centímetro está coberto de lápides.

PUBLICIDADE

“Este é o cemitério dos mártires”, disse Kamil Jassim Mohammed, de 70 anos, o zelador do cemitério, que ele cuida desde 2004, quando as sepulturas foram cavadas pela primeira vez para os mortos enquanto as tropas americanas lutavam contra as milícias iraquianas. “Parei de contar quantas pessoas estão enterradas aqui, mas são centenas, milhares de mártires.”

Enquanto o Iraque marca o 20º aniversário nesta segunda-feira, 20, da invasão liderada pelos americanos que derrubou o ditador Saddam Hussein, um exército de fantasmas assombra os vivos. Os mortos e mutilados são uma sombra para todos neste país - mesmo aqueles que querem deixar o passado para trás.

Kamil Jassim Mohammed cuida do cemitério dos mártires em Faluja Foto: Joao Silva/The New York Times - 25/2/2023

Os Estados Unidos invadiram o Iraque como parte de sua “guerra ao terror” anunciada pelo presidente George W. Bush após os ataques da Al Qaeda em 11 de setembro de 2001. Bush e membros de seu governo alegaram que Hussein estava fabricando e ocultando armas de destruição em massa, embora nenhuma evidência para apoiar essas acusações tenha sido encontrada. Algumas autoridades dos EUA também disseram que Hussein tinha ligações com a Al Qaeda, uma acusação que as agências de inteligência posteriormente rejeitaram.

Hoje, o Iraque é um lugar muito diferente e há muitas lentes para vê-lo. É uma sociedade muito mais livre do que era sob Hussein e um dos países mais abertos do Oriente Médio, com múltiplos partidos políticos e uma imprensa amplamente livre.

Ainda assim, conversas com mais de 50 iraquianos sobre o aniversário da guerra ofereceram um retrato muitas vezes preocupante de uma nação rica em petróleo que deveria estar indo bem, mas onde a maioria das pessoas não se sente segura nem vê seu governo como nada além de uma máquina de corrupção.

Muitos iraquianos veem um futuro econômico sombrio porque, apesar da riqueza de recursos naturais, as receitas de energia do país foram gastas principalmente no vasto setor público, perdidas para a corrupção ou desperdiçadas em grandes projetos inacabados. Relativamente pouco foi feito para transformar a infraestrutura pública ou fornecer serviços, como muitos iraquianos esperavam.

Publicidade

“As condições de vida não são boas. A eletricidade ainda é ruim”, disse Mohammed Hassan, um engenheiro de comunicações de 37 anos e pai de três filhos que supervisiona a instalação de linhas de internet em um bairro de classe média na capital, Bagdá. Ele recebe US$ 620 por mês. “Mal tenho o suficiente para chegar ao fim do mês, por isso não vejo muito futuro”, acrescentou.

“É uma pena. Sempre quisemos nos livrar de Saddam”, disse ele. “Sabemos que o Iraque é rico e esperávamos que melhorasse. Mas não conseguimos o que esperávamos.”

O Iraque permanece indelevelmente marcado por uma guerra civil, uma insurgência e a agitação quase constante desencadeada pela invasão, que continuou mesmo depois da retirada das tropas americanas em 2011. Onda após onda de combates deu lugar a conflitos políticos, e o país nunca se estabilizou totalmente. Duas grandes cidades – Mosul e Falluja – foram em grande parte destruídas, e os danos são visíveis em quase todas as grandes cidades do centro e norte do Iraque.

É difícil encontrar alguém neste país que não tenha perdido alguém.

Forças especiais iraquianas em 2017 durante combates com o Estado Islâmico na cidade de Mosul; tropas dos EUA ajudaram nessa luta a pedido do governo iraquiano Foto: Ivor Prickett/The New York Times - 16/1/2017

PUBLICIDADE

Cerca de 200 mil civis morreram nas mãos das forças americanas, militantes da Al Qaeda, insurgentes iraquianos ou do grupo terrorista Estado Islâmico, de acordo com o projeto Cost of War da Brown University. Pelo menos 45 mil membros das forças militares e policiais iraquianas e pelo menos 35 mil insurgentes iraquianos também perderam suas vidas, e dezenas de milhares ficaram com ferimentos que alteraram suas vidas.

Do lado dos EUA, cerca de 4,6 mil soldados e 3.650 contratados americanos foram mortos no Iraque, e inúmeros outros sobreviveram, mas carregam cicatrizes físicas e mentais.

A fraqueza do estado iraquiano após a invasão dos EUA tornou-o um terreno fértil para as potências da região cultivarem suas ambições geopolíticas. Entre eles estavam os vizinhos Irã e Turquia, junto com os próprios EUA.

Publicidade

Mas o Irã se mostrou mais hábil em explorar o vácuo de poder deixado pela remoção de Hussein e em exercer influência dentro do Iraque. O Irã estimulou a criação de uma força militar paralela que estava há muito fora do controle do governo iraquiano. Essas milícias, em sua maioria xiitas, têm dezenas de milhares de combatentes, incluindo alguns que são leais a Teerã.

Um outdoor com o major-general Qassim Suleimani, no centro, que liderou a poderosa Força Quds do Irã, o braço estrangeiro da Guarda Revolucionária Islâmica. Ele foi morto em 2020 quando um drone americano disparou mísseis contra seu comboio em Bagdá Foto: Joao Silva/The New York Times - 1º/3/2023

Incentivar e expandir a influência do Irã no Iraque dificilmente era a intenção dos políticos americanos em 2003. Ryan Crocker, um ex-embaixador americano no Iraque que esteve envolvido no planejamento da guerra, disse que sugeriu aos diplomatas e líderes militares dos EUA que eles poderiam querer chegar aos iranianos.

“Eu disse: ‘Não deveríamos estar descobrindo como falar com os iranianos sobre isso e como fazer com que eles minimizem seu envolvimento hostil?’”, lembrou ele.

Ele disse que seu apelo caiu em ouvidos surdos. “Não vi nenhuma evidência de que alguém estivesse realmente pensando na profundidade e amplitude do fator iraniano”, acrescentou.

Novas liberdades, mas poucos empregos

Hoje, o Iraque é um lugar muito diferente daquele que os americanos encontraram em 2003.

Aproximadamente metade da população de quase 45 milhões nasceu depois de 2000 e não experimentou as críticas e a frequente brutalidade da vida sob o comando de Hussein, que foi capturado pelas forças dos EUA no fim de 2003 e, após um julgamento iraquiano, executado.

As percepções dos jovens iraquianos são moldadas pela violência que se seguiu à invasão liderada pelos EUA e, ao mesmo tempo, pela decepção de que seu país ainda está muito aquém das esperanças levantadas por uma sociedade mais aberta.

Publicidade

“Saddam Hussein foi o Hitler dos nossos tempos. Ele foi o ditador, o tirano mais brutal que já experimentamos”, disse Barham Salih, presidente do Iraque de 2018 a 2022 e membro de longa data da oposição iraquiana que, como muitos outros, viu de perto as torturas e execuções que Hussein usou para manter os oponentes políticos sob controle.

“Depois que ele se foi, de repente tivemos eleições”, disse Salih. “Tínhamos uma política aberta, uma multidão de jornalistas. Essas coisas não eram vistas há muito, muito tempo em um lugar como o Iraque.”

Iraquianos fazendo compras no movimentado bairro de Karada, em Bagdá; não há novos empregos suficientes no Iraque para os muitos jovens que os desejam Foto: Joao Silva/The New York Times - 9/2/2023

Essas coisas certamente são raras no Oriente Médio, onde ditadores e autocratas governam a maioria dos países e há uma repressão generalizada da liberdade de imprensa e dos direitos individuais. Mais recentemente, ambos começaram a ser ameaçados também no Iraque, em grande parte por partidos muçulmanos xiitas ligados ao Irã.

“Se você colocar as coisas em contexto, tem havido muitos desenvolvimentos positivos”, disse Salih.

Entre esses desenvolvimentos está um melhor relacionamento com os militares dos EUA. Suas tropas retornaram em 2014, desta vez a pedido do governo iraquiano, e desempenharam um papel vital na luta para derrotar o Estado Islâmico. Cerca de 2,5 mil soldados americanos permanecem no país.

Desemprego galopante

Para muitos iraquianos, é difícil avaliar os desenvolvimentos positivos quando o desemprego é galopante, com mais de um em cada três jovens desempregados, de acordo com o Banco Mundial e a Organização Internacional do Trabalho. Há poucos empregos no setor privado, o que significa que a maioria das pessoas busca cargos no governo. Mas não há o suficiente para atender à população de rápido crescimento do Iraque.

Cerca de um quarto dos iraquianos vive na linha da pobreza ou abaixo dela, de acordo com o Ministério do Planejamento do Iraque.

Publicidade

O mais preocupante para jovens e idosos, no entanto, é a corrupção cada vez mais arraigada do governo, que está enraizada em um sistema de distribuição étnica e sectária de poder que os EUA pressionaram o Iraque a implantar após a queda de Saddam. A Transparência Internacional classifica o Iraque em 157º lugar entre 180 países em seu índice de corrupção.

A invasão dos EUA e a subsequente ocupação derrubaram a ordem social que existia durante a ditadura ao marginalizar a corrente muçulmana sunita, que formava o núcleo da base de poder de Hussein, seu Exército e seus serviços de inteligência. Isso beneficiou a maioria muçulmana xiita do país e a minoria curda.

Um combatente leal ao clérigo xiita Muqtada al-Sadr depois de disparar uma granada propelida por foguete contra tanques americanos na seção de Sadr City em Bagdá Foto: Joao Silva/The New York Times - 16/8/2004

O tiro saiu pela culatra, no entanto, ao alimentar uma tenaz insurgência sunita contra a ocupação americana que começou logo após a invasão de 2003. Ela foi liderada inicialmente por ex-oficiais dos serviços militares e de inteligência de Hussein, aos quais rapidamente se juntaram extremistas islâmicos ligados à Al Qaeda.

O conflito logo se transformou em uma guerra sectária, visando os xiitas que, por sua vez, formaram seus próprios grupos de combate. Esses grupos, em vez de se dissolverem assim que os combates pararam – como fizeram os grupos sunitas – evoluíram e se expandiram ao longo do tempo nas numerosas milícias xiitas que dominam hoje.

As mais poderosas dessas milícias têm ligações com o Irã.

Muitos iraquianos acusam as milícias e o Irã de minar a soberania e a democracia do Iraque porque vários deles atuam fora do comando militar iraquiano e porque muitas milícias também estão ligadas a partidos políticos, o que confere um caráter violento à política.

Divisão

Hoje, o sistema de compartilhamento de poder entre xiitas, sunitas e curdos implantado pelos americanos é considerado por muitos como tendo minado desde o início qualquer esperança de boa governança. Mas Crocker e outros disseram que na época parecia a única maneira de garantir que todas as correntes religiosas e etnias tivessem um papel no governo.

Publicidade

Essa estrutura imposta pelos EUA tornou-se a base para o atual sistema de governo com facções concorrentes obtendo acesso ao poder, dinheiro e patrocínio, que agora dividem entre os diferentes grupos religiosos e étnicos no Parlamento.

“O governo agora é uma coalizão de rivais” pelos despojos do governo, disse Sajad Jiyad, um analista político iraquiano e membro não residente da Century Foundation, um instituto de pesquisa americano.

Ele e outros especialistas dizem que todos os partidos tentaram abocanhar o máximo possível do que restou da riqueza e do poder do Iraque e que, ao longo dos anos, a corrupção tornou-se institucionalizada a tal ponto que não são apenas os cargos de ministros que são alocados pelos partidos; eles também controlam muitos empregos e contratos de nível inferior associados a um ministério e os usam para recompensar apoiadores ou obter favores políticos.

O mais humilhante para muitos iraquianos é que, para conseguir um emprego no governo, eles precisam conhecer alguém em uma posição sênior em um ministério ou partido político, ou precisam pagar alguém em um partido ou departamento onde desejam trabalhar, ou ambos. Esse sistema, que se tornou generalizado nos últimos anos, prejudicou muitos empregos, de acordo com autoridades anticorrupção e membros do Parlamento.

A child passes a building that was destroyed as Iraqi fighters wrested control of the city from the Islamic State in 2016, in Fallujah, Iraq on March 8, 2023. Much of Iraq bears the scars of two decades of violence. (Joao Silva/The New York Times) Foto: NYT / NYT

Zainab Jassim Zayre, uma técnica de radiologia de 30 anos que trabalha em um hospital no extenso e pobre bairro de Sadr City em Bagdá, conseguiu seu emprego há vários anos, antes que tais pagamentos se tornassem rotina. Mas ela disse que agora os alunos estão sendo solicitados a desembolsar até US$ 30 mil para uma posição como a dela, que paga no máximo US$ 800 de salário por mês.

“As pessoas sofrem com esse sistema, mas nem todos”, disse ela. “Se eles são de classe média ou ricos, talvez suas famílias possam pagar. Mas os pobres não podem. Isso é injustiça e, se eles pedem emprestado, demoram muito para pagar.”

Injustiça é uma palavra que aparece em quase todas as entrevistas com iraquianos comuns.

Publicidade

Eles o usam para descrever não apenas o sistema de pagamento de empregos, mas a dificuldade de obter qualquer documento oficial sem pagar algo a mais para a pessoa que o entrega a você; eles também a usam quando descrevem como alguns bairros têm água poluída - ou nenhuma água. Ela expressa seu sentimento de indignação com o privilégio de poucos iraquianos e o desespero de muitos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.