Arad morreu nos anos 90, diz livro

Militar teria sido refém de vários grupos

PUBLICIDADE

Por Christoph Schult , DER SPIEGEL e BERLIM
Atualização:

O mistério sobre o paradeiro do soldado israelense Ron Arad, desaparecido há 23 anos após um acidente com seu avião no Líbano, parece finalmente ter chegado ao fim.Ele teria sido mantido prisioneiro por vários grupos, até ficar doente e acabar morrendo em meados da década de 90, segundo o novo livro de Ronen Bergman, especialista em inteligência do jornal israelense Yediot Ahronot. De acordo com Bergman, foi essa a conclusão a que chegou uma comissão militar em 2005, mas que o então premiê Ariel Sharon recusou-se a divulgar, como também seus sucessores, Ehud Olmert e Binyamin Netanyahu. "Os censores militares só divulgaram as conclusões do caso porque ameacei ir à Suprema Corte", disse Bergman. Os documentos mostram que o soldado ficou inicialmente no Líbano, nas mãos da milícia xiita Amal, que exigiu dinheiro, armas e troca de prisioneiros. Mas depois ele foi sequestrado pelo chefe de segurança do grupo, Mustafa Dirani, e levado para o Vale do Bekaa. Dirani juntou-se ao Hezbollah, levando o prisioneiro com ele. Um vídeo feito em 1987 mostra Ron ainda vivo. No início de 1988, os captores de Arad fugiram quando a força aérea israelense bombardeou a região. Arad foi deixado no local. Quando o clã retornou no dia seguinte, o prisioneiro tinha desaparecido. Dirani, capturado por Israel em 1994, disse suspeitar que a Guarda Revolucionária do Irã teria levado Arad para Teerã. A Alemanha então se envolveu no caso, negociando a libertação com o embaixador iraniano em Berlim. Mas as conversações fracassaram em 1995, ao ficar claro que a Justiça alemã condenaria à prisão perpétua um espião iraniano.Segundo a versão mais provável dos eventos, Arad foi levado de volta ao Vale do Bekaa, já bastante doente, em 1995. A Guarda Revolucionária quis se livrar dele após o fracasso da negociação. Nenhum sinal de vida de Arad foi obtido desde 1995. O Hezbollah também acredita que ele morreu em torno dessa época.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.