PUBLICIDADE

Biografia de Harry bate Barack e Michelle Obama, mas perde para Harry Potter

‘Spare’ vendeu 1,43 milhão de cópias no primeiro dia nas prateleiras dos EUA, Canadá e Reino Unido, tornando-se uma das maiores apostas do mercado editorial para 2023

Por Alexandra Alter e Elizabeth A. Harris

O livro de memórias do príncipe Harry, “Spare”, já chegou às prateleiras batendo recordes, com as vendas no primeiro dia excedendo alguns dos maiores sucessos do mercado editorial, incluindo outros best-sellers, como lançamentos de Barack e Michelle Obama.

PUBLICIDADE

“Spare” vendeu mais de 1,43 milhão de cópias em todos os formatos nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, incluindo pré-encomendas, de acordo com sua editora. O número marcou as maiores vendas no primeiro dia de qualquer livro de não ficção já publicado pela Penguin Random House, considerada a maior editora do mundo.

A forte estreia do livro de memórias, embora extraordinária, não foi totalmente surpreendente. Desde o início, uma revelação explosiva de um príncipe auto-exilado parecia ser a aposta mais próxima possível no inconstante mercado editorial. As vendas vêm crescendo há meses, especialmente nos dias anteriores à publicação, quando o conteúdo do livro começou a se tornar público em vazamentos não intencionais e em entrevistas de alto nível.

Biografia do príncipe Harry exposta em vitrine de livraria em Turim, na Itália; livro bateu recorde de vendas nos EUA, Canadá e Reino Unido. Foto: Alessandro Di Marco/ EFE

“Vendemos livros em todos os locais – e vendemos muitos deles”, disse Shannon DeVito, diretora de livros da Barnes & Noble. “Algumas pessoas chegaram logo antes do trabalho, algumas pessoas chegaram na hora do almoço, algumas pessoas vieram depois”, continuou ela. “Mas a velocidade das vendas ao longo do dia foi gigantesca.”

A magnitude de suas vendas coloca “Spare” entre alguns dos livros de capa dura mais vendidos na memória recente. “A Promised Land”, de Barack Obama, vendeu mais de 887 mil cópias em todos os formatos nos Estados Unidos e no Canadá em seu primeiro dia de publicação, de acordo com a editora. O livro de memórias de Michelle Obama, “Becoming”, também publicado pela Penguin Random House, vendeu mais de 725 mil unidades nos EUA e no Canadá em seu primeiro dia, disse a empresa.

Só atrás de Harry Potter

Apenas as editoras têm acesso aos dados completos de vendas de seus livros, incluindo o número de cópias impressas, de áudio e de e-book vendidas, e tendem a divulgar os números apenas quando são favoráveis. O NPD BookScan rastreia as vendas de impressão de forma independente e relatará a primeira semana de vendas de “Spare” em 19 de janeiro.

Mulher folheia livro de memórias do príncipe Harry. Foto: Alessandro Di Marco/ EFE

No Reino Unido, “Spare” estabeleceu um recorde de vendas para o primeiro dia de um livro de não-ficção, vendendo 400 mil cópias, incluindo pré-encomendas, de acordo com a editora Transworld Penguin Random House. A Transworld já encomendou 200 mil cópias adicionais do livro, de acordo com Larry Finlay, seu diretor administrativo.

Publicidade

“Os únicos livros que venderam mais rápido em um dia foram sobre o outro Harry, Harry Potter”, disse Finlay. “O apetite do público é enorme.”

Recepção da crítica

A crítica reagiu de forma mista ao livro de Harry, com alguns críticos elogiando a prosa, mas questionando se o ex-príncipe foi longe demais em expor queixas mesquinhas.

“O príncipe afirma ter uma memória irregular - ‘um mecanismo de defesa, provavelmente’ - mas não parece ter esquecido uma única linha já impressa sobre ele e sua esposa, e a última seção de sua revelação degenera em um conversas cansativas sobre quem está vazando o quê e por quê”, escreveu a crítica do The New York Times Alexandra Jacobs em sua crítica.

Alguns críticos no Reino Unido escreveram sobre o livro em tons perplexos, lançando superlativos que nem sempre eram elogiosos. Uma crítica no The Guardian chamou isso de “uma tentativa falha de recuperar a narrativa” que é “às vezes simpática e absurda”. Um crítico que escreve para a BBC o chamou de “o livro mais estranho já escrito por um membro da realeza” e disse que às vezes parece “o texto mais longo e raivoso já enviado”. No The Independent, um crítico disse que o livro de memórias era “ricamente detalhado e às vezes lindamente escrito”, acrescentando que “se Harry vai atear fogo em sua família, pelo menos o fez com algum estilo”.

Trechos antecipados

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Quando o livro foi lançado, muitas de suas reivindicações mais incendiárias já haviam sido destacadas na imprensa. Na semana anterior à publicação, o The Guardian publicou um artigo que detalhava um confronto físico entre o príncipe William e Harry; como Harry descreve no livro, William o derrubou no chão.

Naquela mesma semana, cópias de “Spare” acidentalmente foram colocadas à venda na Espanha e foram arrebatadas pelos meios de comunicação. Dezenas de histórias se seguiram de todo o mundo: Harry disse no livro que matou 25 pessoas no Afeganistão. Harry escreveu que seu irmão o encorajou a se vestir como um nazista para uma festa à fantasia. Harry perdeu a virgindade com uma mulher mais velha em um local atrás de um bar.

O gotejamento constante de revelações levou alguns observadores a questionar se o próprio livro conteria alguma informação nova. Em vez de dissuadir os compradores, o frenesi da mídia que se seguia a cada novo lançamento parecia ajudar o livro a vender.

Publicidade

“Nós pensamos: isso vai prejudicar as vendas? as pessoas acham que leram a história?”, disse Finlay, o diretor-gerente da Transworld. “As partes que chamam a atenção são interessantes, mas não é a coisa mais interessante sobre o livro. Acho que tudo o que ele faz é despertar o interesse público.”

A ReaderLink, uma grande distribuidora de livros, disse que as pré-encomendas aumentaram após o artigo no The Guardian detalhando a briga entre os irmãos. A Waterstones, uma rede de livrarias no Reino Unido, viu um aumento de reservas nas lojas depois do artigo, de acordo com James Daunt, que dirige a empresa.

Expectativa de vendas

A questão é se “Spare” continuará a vender rapidamente ou se o interesse diminuirá à medida que a tempestade da mídia se acalmar. Antes da publicação do livro, algumas pessoas do setor achavam que o interesse diminuiria após as fortes vendas iniciais.

Mas DeVito disse que a Barnes & Noble espera que o livro seja um dos maiores lançamentos de 2023. Ela acrescentou que a “experiência e talento” do escritor fantasma do livro, J.R. Moehringer, ajudaria a tornar o apelo do livro duradouro. (Nos agradecimentos, Harry chama Moehringer de seu “colaborador e amigo, confessor e às vezes parceiro de luta”).

A ReaderLink, que fornece livros para grandes varejistas como Target e Walmart, disse que encomendou cerca de 300.000 cópias de “Spare”. Mas, em vez de enviar todos os livros para o ReaderLink de uma só vez, a Penguin Random House reteve alguns deles para que pudessem apressar os livros diretamente para as lojas, caso grande parte do livro vazasse e a data de publicação tivesse que ser adiada.

Esse limite nunca foi ultrapassado, no entanto, e os livros foram colocados à venda conforme planejado, na terça-feira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.