PUBLICIDADE

Coreia do Sul: jovem é condenada à prisão perpétua após matar mulher ‘por curiosidade’

Durante suas declarações à polícia, Jung Yoo-jung afirmou que seu interesse em cometer um assassinato havia sido despertado por programas de TV do gênero ‘true crime’

Foto do author Redação
Por Redação

Uma mulher de 23 anos foi condenada à prisão perpétua na Coreia do Sul nesta sexta-feira, 24, após matar uma professora de inglês a facadas em maio deste ano. Jung Yoo-jung, que se diz fã de obras de “true crime”, disse à polícia que assassinou a mulher “por curiosidade”. As informações são da BBC.

PUBLICIDADE

A jovem se dizia obcecada por programas policiais e livros do gênero. Obras “true crime”, sejam livros, produções audiovisuais ou podcasts, são aquelas baseados em crimes reais.

A sul-coreana, que dizia ter vontade de saber qual a sensação de cometer um assassinato, procurou vítimas em um aplicativo de tutoria online. Segundo a BBC, Jung entrou em contato com mais de 50 pessoas, a maioria mulheres, perguntando se elas davam aulas em casa.

Foi então que, em maio, se passando por a mãe de uma aluna, ela contatou uma professora de 26 anos e marcou uma aula na casa da professora. A jovem apareceu na casa da tutora com um uniforme que ela comprou pela internet e, depois de entrar na residência, esfaqueou a vítima mais de 100 vezes.

Jung Yoo-jung esquartejou o corpo e pegou um táxi para despejar os restos mortais em um parque. Ela foi presa depois que o taxista avisou a polícia sobre uma passageira que havia jogado uma mala cheia de sangue na floresta.

Jung Yoo-jung, que se diz fã de obras de “true crime”, disse à polícia que assassinou a mulher “por curiosidade”. Foto: Departamento de Polícia de Busan/Divulgação

Segundo a polícia, o histórico de pesquisa na internet de Jung continha várias buscas sobre como matar uma pessoa. Ela obteve uma pontuação alta em testes de psicopatia feitos na investigação.

A jovem confessou o crime em junho e alegou sofrer de transtornos mentais. Entretanto, o tribunal rejeitou o seu argumento porque o crime foi “cuidadosamente planeado e executado, e é difícil aceitar a sua alegação de perturbação física e mental”. Durante suas declarações à polícia, ela afirmou que seu interesse em cometer um assassinato havia sido despertado por programas policiais e programas de TV.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.