PUBLICIDADE

Governo Lula diz que acompanha com grave preocupação retaliação de Israel ao Irã

Nota oficial divulgada pelo Itamaraty usa mesmos termos que haviam sido empregados no ataque do Irã ao território israelense

Foto do author Felipe Frazão
Por Felipe Frazão
Atualização:

O governo Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta sexta-feira, dia 19, que acompanha com “grave preocupação” os bombardeios realizados por Israel em retaliação ao Irã nesta quinta-feira.

PUBLICIDADE

“O Brasil continua a acompanhar, com grave preocupação, episódios da escalada de tensões entre o Irã e Israel, desta vez com o relato de explosões na cidade iraniana de Isfahan”, disse o ministério das Relações Exteriores.

“O Brasil apela a todas as partes envolvidas que exerçam máxima contenção e conclama a comunidade internacional a mobilizar esforços no sentido de evitar uma escalada”.

Imagem mostra o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao lado do ministério das Relações Exteriores, Mauro Vieira. Itamaraty disse estar "preocupado" com situação no Oriente Médio Foto: Pedro Kirilos/Estadão

A nota oficial divulgada pelo Itamaraty usa dos mesmos termos que haviam sido empregados pela chancelaria na semana passada - e que foram alvo de críticas - porque o governo Lula não condenou claramente o ataque aéreo iraniano, de proporções inéditas, contra o território israelense.

Teerã alegou que realizava uma resposta militar “responsável” ao bombardeio que matou oficiais militares da Guarda Revolucionária em Damasco, Síria, dentro de uma área consular e diplomática iraniana. O ataque foi atribuído a Israel.

Após pressão, o chanceler Mauro Vieira disse que o Brasil “condenava qualquer ato de violência” e que no momento do pronunciamento anterior sua equipe não tinha ainda a exata dimensão do ataque iraniano, repelido na maior parte pela defesa aérea de Tel Aviv e aliados.

Agora, o ministro diz que voltou a tratar do assunto com representantes do regime do Irã, durante viagem aos Estados Unidos para apoiar o ingresso da Palestina nas Nações Unidas, vetada pelos Estados Unidos.

Publicidade

“Esse apelo foi transmitido diretamente pelo Ministro Mauro Vieira ao chanceler do Irã, Hossein Amir-Abdollahian, em encontro bilateral ocorrido hoje na sede da Organização das Nações Unidas, em Nova York”, disse o Itamaraty.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.