PUBLICIDADE

Grande incêndio atinge Bolsa de Valores do século XVII em Copenhague, derrubando torre icônica

Ministro da cultura afirma que locais ajudaram a retirar peças de valor do local, mas ainda não se sabe o quanto foi destruído; não houve relatos de vítimas

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Um incêndio atingiu um dos edifícios mais antigos de Copenhague nesta terça-feira, 16, causando o colapso da icônica torre da Antiga Bolsa de Valores do século XVII, enquanto os transeuntes corriam para ajudar os serviços de emergência a salvar pinturas de valor inestimável e outros objetos de valor.

PUBLICIDADE

O Ministro da Cultura dinamarquês, Jakob Engel-Schmidt, disse que foi “comovente” ver quantas pessoas deram a mão “para salvar tesouros artísticos e imagens icônicas do edifício em chamas”. Um homem saltou de sua bicicleta a caminho do trabalho para ajudar no esforço.

O incêndio começou na manhã de terça-feira no telhado de cobre do Old Stock Exchange, ou Boersen, espalhou-se por grande parte do edifício e do telhado, partes do qual também desabaram, e destruiu o interior do edifício, disse o porta-voz dos bombeiros Jakob Vedsted Andersen.

”O que restou depois de apagado é muito cedo para dizer agora”, disse Engel-Schmidt à emissora dinamarquesa DR.

Fumaça sobe do antigo prédio da Bolsa de Valores em Copenhague, Dinamarca, terça-feira, 16 de abril de 2024. Um dos edifícios mais antigos de Copenhague pegou fogo e sua icônica torre desabou.  Foto: Emil Helms/AP

A causa do incêndio não foi conhecida imediatamente.

O edifício, situado próximo ao Palácio de Christiansborg, onde fica o parlamento, é uma atração turística popular e já foi fotografado milhões de vezes. Sua torre característica, no formato das caudas de quatro dragões entrelaçados, atingiu uma altura de 56 metros.

Enormes nuvens de fumaça se elevaram sobre o centro de Copenhague e as pessoas foram vistas correndo para dentro do edifício para salvar pinturas. A pluma podia ser vista do sul da Suécia, separada por um estreito canal.

Publicidade

Ambulâncias estavam no local, mas não houve relatos de vítimas. Um porta-voz da empresa que está trabalhando na reforma do edifício disse que todos os carpinteiros que trabalhavam no telhado haviam saído.

Até 90 membros de uma unidade do exército também foram enviados de uma base próxima para isolar a área e “proteger objetos de valor”, informaram as forças armadas da Dinamarca.

O edifício e a torre estavam envoltos em andaimes, que depois desabaram com o incêndio. O telhado, a alvenaria, o arenito e o pináculo do Boersen - construído em 1615 e considerado um dos principais exemplos do estilo renascentista holandês na Dinamarca - estavam sendo reformados, disse a Câmara de Comércio Dinamarquesa, que se mudou para o prédio depois que a bolsa de valores de Copenhague deixou o local em 1974.

Vista da Antiga Bolsa de Valores de Copenhague, Dinamarca, em 28 de janeiro de 2019, antes do incêndio que antigiu um dos edifícios mais antigos de Copenhague nesta terça-feira, 16 de abril. Foto: Linda Kastrup/AP

O diretor da câmara, Brian Mikkelsen, estava entre os que ajudaram a retirar os quadros do prédio. “É um desastre nacional”, disse Mikkelsen aos repórteres.

O adjacente Palácio de Christiansborg já foi incendiado em várias ocasiões e, mais recentemente, em 1990, houve um incêndio em um anexo do parlamento dinamarquês, conhecido como Proviantgaarden. No entanto, a Antiga Bolsa de Valores sobreviveu incólume.

Esse anexo, que fica no quarteirão atrás da Antiga Bolsa de Valores, foi evacuado por precaução, assim como vários ministérios na rua atrás do prédio em chamas.

Além de abrigar a Câmara de Comércio, a Old Stock Exchange é usada para jantares de gala, conferências, festas e outros eventos.

Publicidade

A polícia disse na plataforma de mídia social X que uma estrada principal em Copenhague estava fechada e que as pessoas deveriam esperar que a área ficasse isolada por algum tempo. Várias linhas de ônibus foram redirecionadas e a mídia dinamarquesa relatou enormes engarrafamentos na área circundante./AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.